Pular para o conteúdo
Você está em: Página Inicial > Brasil > Ataque em creche de Blumenau foi motivado por “jogo online” #boato

Ataque em creche de Blumenau foi motivado por “jogo online” #boato

Ataque em creche de Blumenau foi motivado por “jogo online”, diz boato (Foto: Reprodução/Facebook)

Boato – Investigações apontam que o ataque realizado na creche de Blumenau no dia 5 de abril de 2023 foi motivado por um jogo online de quem “mata mais crianças” com outras pessoas.

Mais um ataque chocou as pessoas no dia 5 de abril de 2023. Na cidade de Blumenau, um homem de 25 anos entrou em uma escola com um machado e atacou crianças. Informações do momento da produção deste texto apontam para quatro mortes e quatro feridos.

No meio deste quadro horroroso, uma história começou a circular em redes sociais. De acordo com mensagens que estão circulando na internet, a motivação do ataque teria sido um jogo online no qual o homem teria “apostado” quem matava mais crianças e “cravava o machado de profundamente”. Leia algumas das mensagens que circulam online:

Versão 1: Fiquei sabendo q teve outro atentado agora em Gaspar/SC. Estão dizendo q é um jogo de vídeo game q tem esse tipo de atentado como desafio!!! Meu genro já foi buscar meu netinho q está na creche. Meu Deus!!!! Onde vamos parar????  Esse é o MONSTRO de Blumenau!!!!

Vídeo: é falso que a Anvisa esteja barrando entrada de remédios no RS

Versão 2: Outra creche ou escola que quase foi atacada nesse instante em Gaspar, ao lado de Blumenau Versão 3: URGENTE: Infelizmente se confirmando outro atentado contra crianças na cidade de #Gaspar ao lado de #Blumenau.

Versão 3: Estão me repassando Que isso é um desafio de um jogo E terá mais atentados em creches Foi identificado como Luiz Lima de 25 anos o autor do atentado na creche em Blumenau Versão 4: Homem que atacou creche em Blumenau que deixou 4 crianças mortas diz que cumpriu ‘desafio de jogo’ e que novos ataques acontecerão.

Ataque em creche de Blumenau foi motivado por “jogo online”?

A história não demorou a circular em redes sociais e, principalmente, grupos no WhatsApp. Porém, a informação que aponta para todo este enredo não passa de um boato.

Infelizmente, casos como este acabam gerando muitos rumores na internet. Sobre o ataque ocorrido na semana passada em São Paulo, por exemplo, circulou uma fake news que apontava que o garoto havia levado “tapas de uma colega” antes de realizar o ataque.

No caso da acusação de hoje, o temos são informações sem fontes confiáveis e não oficiais. Ao buscar pela origem da informação de que o ataque tivesse sido fruto de um “jogo”, descobrimos que, na realidade, o que há são mensagens em redes sociais que apontam que ele “confessou isso” à polícia.

Porém, falta um detalhe muito importante: as provas de que houve o tal jogo. Aliás, há supostas provas. Porém, elas são falsas. Uma das supostas provas é um vídeo do homem atrás de uma cela “confessando” que seria um jogo online. Porém, o áudio em questão é inaudível. Não há qualquer conclusão de que ele apontou para o tal “jogo”.

A segunda prova falsa é a que aponta que houve um segundo ataque na região. De acordo com mensagens, o segundo ataque teria ocorrido em Gaspar (cidade vizinha a Blumenau) e também faria parte do jogo. Só tem outro detalhe: a informação sobre o tal segundo ataque é falsa. Ela foi desmentida pela prefeitura de Gaspar e pela Polícia Militar de Santa Catarina. Ou seja: o enredo é enfraquecido.

Para terminar, a própria polícia desmentiu a informação. Em coletiva, o delegado-geral da Polícia Civil Ulisses Gabriel salientou que a ação foi, pelo menos pelo que se sabe até agora, isolada. Veja o que ele disse (transcrito automaticamente) e escute o trecho:

Isto foi um caso isolado. A situação é de caso isolado. Na sequência eu vou passar a palavra para o delegado que preside o procedimento, mas a entrevista prévia realizada por mim, pelo rádio, todos os delegados, profissionais que vai estar ouvindo que é um fato isolado, não tem relação com outras práticas criminosas e não é um fato coordenado, seja por jogo ou seja por rede social, eh seja através conversas e negociações entre criminosos.

Então eh isso é importante nós salientarmos porque para evitar que notícias infundadas acabem sendo propaladas por toda Santa Catarina, isso causa o sentimento.  onde, por exemplo, no grupo da escola da minha filha, havia várias preocupações perguntando se a minha filha ia pro colégio. A minha filha foi, sim, para o colégio, está no colégio eh e diante dessas circunstância nós estamos pedindo que os canais de comunicação possam ser um instrumento para que a verdade seja dita da forma mais transparente buscamos transparência e é isso que está acontecendo.

Qualquer informação estará no ar nos sites oficiais do governo de Blumenau, do governo do estado de Santa Catarina, da Polícia Militar, da polícia científica, do corpo de bombeiros da polícia científica para que nós possamos ter informações fidedignas do que acontece em Santa Catarina

Resumindo: não procede a informação que aponta que o homem que matou crianças em creche em Santa Catarina participou de um jogo online e uma ação coordenada. As próprias autoridades apontaram que, até o momento, trabalham com a hipótese de ação isolada.

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61) 9275-5610

 – Siga-nos no Facebook http://bit.ly/2OU3Zwz
 – Siga-nos no Twitter http://bit.ly/2OT6bEK
 – Siga-nos no Youtube http://bit.ly/2AHn9ke
 – Siga-nos no Instagram http://bit.ly/2syHnYU
 – Grupo no WhatsApp https://bit.ly/41sX0QS
 – Lista no Telegram https://bit.ly/2VSlZwK
 – Siga-nos no TikTok https://bit.ly/3yPELWj
 – Siga-nos no Kwai https://bit.ly/3cUbEso