Causa da microcefalia é vacina para gestantes, diz estudo #boato

By | 02/02/2016

Boato – Estudo desvenda farsa do Zika vírus. Na realidade, a causa para o surto de microcefalia é a vacinação para gestantes. 

Um dos assuntos mais falados do momento é o surto de microcefalia que está ocorrendo no Brasil. As autoridades ainda estudam a causa, mas acreditam que é a epidemia do Zika vírus, causada pelo mosquito aedes aegypt. Porém, outras versões do que está acontecendo circulam na internet.

Quer se livrar de boatos? Clique para curtir o Boatos.org

Vacina contra o câncer foi descoberta no Brasil, diz boato

Vacina causou microcefalia?

Já desmentimos uma história que circula na internet que falava que a microcefalia está sendo causa por vacina vencida de rubéola. Porém, essa outra história tem nos chamado atenção por ter sido assinada por um PhD (em física, mas tudo bem). Leia o texto (gigantesco):

Microcefalia em Pernambuco e Brasil. Acabo de fazer uma denúncia assinada junto ao Ministério Público Federal. Denúncia de Crime contra a população brasileira, uma sequência de erros e procedimentos grosseiros, realizados pelo Ministério da Saúde, SUS, seus institutos associados e suas autoridades constituídas, que provocaram e continuam provocando a atual crise de MICROCEFALIA (MC) em todo o Brasil. Análise mais detalhada e específica de dados e fatos referentes ao Estado de Pernambuco.

Autor: Dr. Plínio Bezerra dos Santos Filho, PhD. Pós-doutor pelas universidades americanas de Harvard, Washington University em St. Louis e North Carolina State University; Doutor pela Washington University em St. Louis; Mestre e Bacharel em Física pela UFPE; Áreas de atuação: Ressonância Magnética, com trabalhos em neurologia, próstata, Física do Estado Sólido, entre outros.

RESUMO DESTA DENÚNCIA: A crise de Microcefalia (MC) que surgiu no Estado de Pernambuco, com um pico máximo de casos em novembro de 2015, não se deve ao vírus ZIKV e nem é uma epidemia. Quatro fatos-causa principais existem e claramente explicam os dados, números de casos e períodos das notificações. Os dados que aqui reporto e analiso estão sob o domínio público, na imprensa e Ministério da Saúde, podendo ser verificados. Não fui permitido acesso a dados mais completos e precisos oficiais, o que, ao meu ver, tornariam esta denúncia ainda mais evidente, por recuar o pico máximo da Microcefalia em Pernambuco para trás no tempo em um mês ou mais. Me atenho ao Estado de Pernambuco, em grande parte desta denúncia, pois é o que possui dados divulgados ao público de forma mais completa e também é o marco inicial da notificação compulsória da MC no Brasil. Os 4 fatos-causa que explicam o comportamento temporal do gráfico que apresento são: A) O pico máximo do número de casos em Pernambuco corresponde a um primeiro trimestre de gestação entre janeiro e abril de 2015 com nascimentos microcefálicos. Isso deve-se à vacinação de mulheres em período fértil contra o sarampo com a vacina tríplice, que contém o virus vivo da rubéola. No Ceará, esta vacinação contra o sarampo em mulheres no período fértil com a vacina tríplice continuou até meados de abril; B) O alarmante número de casos, que começam a aparecer em agosto-outubro de 2015, provoca a compulsoriedade, pelo Ministério da Saúde, de notificação de Microcefalia em todo o país. A obrigatoriedade de notificação pelo Ministério da Saúde aumenta o pico e alarga a curva gráfica em torno do seu máximo; C) A causa que provocou o pico máximo de casos de microcefalia em novembro de 2015, nos dados para Pernambuco, fica rarefeita e é substituída, na atualidade, por um outro fato-causa que embora presente nas notificações iniciais, era pouco evidente. Em novembro de 2014, o Ministério da Saúde inclui a vacinação contra Difiteria, Tétano e Pertussis no protocolo pré-natal de gestantes no último trimestre de gestação, a partir do sexto mês de gravidez.; e D) O pico máximo de casos de Dengue no Estado de Pernambuco é entre 20 de março e 10 de abril de 2015 e isso requereria, por associação, desde que temos o mesmo mosquito vetor, um pico máximo no gráfico de Microcefalia entre final de dezembro e início de janeiro de 2016 e não em novembro de 2015 como tivemos. Isso, por si só, colocaria possíveis efeitos do ZIKV como causador de Microcefalia em importãncia menor e não como o principal causador da Microcefalia.

CONCLUSÃO
Pelo que demonstro, as causas que provocaram e provocam o grande número de casos de microcefalia em Pernambuco estão associadas a 2 vacinas: a) a vacina tríplice erroneamente administrada a jovens no período fértil e b) a vacina usada para coqueluche no Brasil pelo MS-SUS. Pernambuco teve, acredito, 60 municípios com sarampo em 2014. Foi recomendação oficial da Secretaria de Saúde do estado de Pernambuco que a vacinação de sarampo fosse feita em toda a população vunerável nestes municípios e em quem teve algum contato com os acometidos nestes municípios. Só esta constatação explica porque a microcefalia aparece por todo o estado de Pernambuco ao mesmo tempo. Mas isso é somente o pico máximo inicial da curva de microcefalia para PE. A largura do pico tem a ver com a notificação se tornar compusória. As notificações atuais não mais tem a ver com a vacina tríplice. O estado atual de 15 casos por dia de microcefalia em Pernambuco está relacionado com a vacina DTP, DTPw (e suas outras siglas) para difiteria, tétano e pertussis, administrada a “todas” as grávidas a partir do sexto mês de gravidez.

Mesmo cortando, o texto ficou gigantesco. Você pode ver o detalhe da denúncia aqui. Levantamos  algumas dúvidas para os nossos leitores nos ajudarem a resolver este mistério. Confira a lista de dúvidas que tivemos.

  • O estudo existiu? Em qual universidade?

Pelo o que vimos, não há nenhuma universidade ligada ao que ele escreveu. O que ele chama de estudo na verdade é um raciocínio.

  • Realmente a pessoa que assina o estudo fez a denúncia. Por que um físico fala sobre ciências da saúde?

Um ponto que chama atenção é que não há CRM algum. Na teoria, um especialista em saúde é conseguia conduzir um estudo desta magnitude. As leitoras Nara Oliani e Roseli Vieira chamaram atenção para este ponto.

  • Há sentido no que ele fala?

O leitor Roberto Leão foi preciso ao escrever o seguinte: “O manifesto atribuído ao físico/artista plástico não tem nenhum rigor científico e, no geral, não parece ter sido escrito por alguém com a formação alardeada. A estatística apresentada demonstra cultura matemática superficial, e não a de esperar de um cientista em física e radiologia. Observações como a que reafirma a duração da gravidez humana, desabafos na primeira pessoa e a inserção de escrita informal num texto supostamente formal são claramente indicativos de pouca cultura, de novo incongruentes com o saber científico. Isso sem contar, é claro, que uma correlação dessas forçosamente deveria ser assinada ou co-assinada por um médico infectologista”. Ele cita um ponto importante: “O texto convenientemente deixa de incluir os casos de microcefalia ocorridos fora do nordeste brasileiro (embora, segundo a OMS, só haja casos confirmados de microcefalia associada ao Zika na Polinésia Francesa – Taiti). Em resumo, isso é conspiracionismo puro e não parece ter mérito algum”.

Para além disso, a leitora Helena Goto chamou atenção que a hipótese de vacina causar o surto não é nem cogitada pelo CDC. Confira no link. Para completar, o próprio governo desmentiu citando alguns detalhes neste vídeo:

Resumindo: a história não passa de mais uma teoria da conspiração. Agradecemos aos leitores do Boatos.org nesta investigação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *