Projeto obriga uniforme unissex em todas escolas do Brasil #boato

Boato – Ativistas dos direitos humanos enviaram à ONU e à Câmara dos Deputados projeto que obriga escolas a adotarem uniforme unissex em 2018.

Não são raras as vezes em que falamos de notícias falsas sobre projetos de lei que circulam na internet. Na grande maioria das vezes, os boatos que “pegam” são relacionados a algo que, de acordo com os mais conservadores, “fere a moral e os bons costumes”. A nossa história de hoje fala justamente sobre isso.

De acordo com uma notícia publicada em um blog, ativistas dos direitos humanos estão pedindo que as escolas adotem uniformes sem distinção de gênero. O texto cita uma fala de um “porta-voz” do MEC e casos que aconteceram na “Escola Federal Menino Cazuza” e uma ativista chamada Paula Rogério. Leia trechos:

Uniforme Unissex em todas escolas do Brasil – Projeto de Lei para 2018 Ativistas dos Direitos Humanos , ligados a Esquerda no Brasil, enviaram solicitação ao tribunal da ONU e a Câmara dos deputados, exigência de lei, as escolas estaduais e municipais ,que adotem uma política de uniforme sem distinção de gênero.

O objetivo é que os pequenos possam escolher as roupas que as deixem mais confortáveis.Todas escolas, voltadas ao ensino primário (para crianças com idades a partir dos 6 anos) estão no futuro projeto. Algumas instituições já reformularam os uniformes para deixá-los iguais para meninos e meninas. Enquanto isso, outras começaram a permitir que os alunos usem peças de acordo com o gênero com o qual possuem identificação.

— O dinheiro que temos alocado hoje é especificamente direcionado ao combate do bullying homofóbico nas escolas, garantindo que as crianças não tenham suas vidas arruinadas por nenhum tipo de assédio moral e possam assim atingir seu pleno potencial — disse um porta-voz do MEC ao jornal folha de SP…

O porta-voz disse que políticas que tornem as escolas mais inclusivas serão incentivadas. Como foi o caso da escola federal Menino Cazuza, que recebeu um subsídio do MEC e foi uma das pioneiras nos uniformes “genderless”. Lá, os meninos podem usar saias e meninas podem usar calças.

Projeto obriga uniforme unissex em todas escolas do Brasil em 2018?

Não é preciso nem dizer que a história foi compartilhada por muita gente e causou muita indignação em redes sociais. Mas será mesmo que existe o tal projeto que obriga o uniforme unissex nas escolas do Brasil para 2018? A resposta é não. Vamos aos fatos.

Para começar, a história foi publicada em um site que já está se tornando figurinha carimbada aqui no Boatos.org. Só para você ter uma ideia, foi o mesmo site que publicou a história que aponta que a mulher que pisou em cão foi espancada na prisão, do desabafo de Moro e do texto que Moro teria escrito na adolescência. Ou seja, um site experiente em boatos.

Analisando o texto, podemos perceber alguns detalhes que entregam a balela. O primeiro deles é que o texto é uma junção de “diversas cópias”. A primeira parte é de uma notícia da versão online do jornal Zero Hora que falava dos uniformes sem gênero… no Reino Unido. A única coisa modificada foram os nomes dos personagens.

A parte final foi retirada de um artigo opinativo publicado na internet após o Colégio Pedro II (do Rio de Janeiro) acabou com a distinção de gênero nos uniformes no ano passado. Por sinal, a imagem utilizada no post junto com a dos deputados Jean Wyllys e Maria do Rosário é do colégio da capital fluminense.

Só para terminar, fizemos uma pesquisa para saber se existe algum projeto na Câmara que prevê o fim da distinção de uniformes entre meninos e meninas. Como era de esperar, não encontramos nada. Ou seja: por enquanto, são as escolas que decidirão o uniforme mais adequado para os seus alunos.

Resumindo: a história que aponta que há um projeto que prevê uniforme unissex em todas as escolas é falsa. Foi publicada por um site já famoso por boatos e é uma modificação de uma notícia do Reino Unido.

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de Márcia Luquine e de diversos leitores via WhatsApp. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61) 99331-6821.

Nota do editor: já prevendo que o Boatos.org iria desmentir a história, um dos sites colocou o nome do editor do nosso site no crédito da imagem. Agradecemos “o prestígio” e ao fato de a imagem já estar no tamanho correto para a publicação na postagem que desmente a notícia falsa. 

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Em vez de copiar o nosso conteúdo, compartilhe no Facebook :)