Informação falsa: Rachel Sheherazade é funcionária-fantasma na Paraíba

By | 15/01/2014
Rachel Sherehazade seria funcionária fantasma, diz boato

Rachel Sherehazade seria funcionária fantasma, diz boato

Boato – A apresentadora do SBT, Rachel Sheherazade, estaria exercendo o cargo de escrivã no Tribunal de Justiça da Paraíba mesmo morando em São Paulo.

Um dos nomes mais polêmicos do jornalismo televisivo brasileiro é o de Rachel Sheherazade. A apresentadora do telejornal SBT Brasil é adorada por militantes de posicionamento mais conservador (cita-se membros de partidos de direita e religiosos) e detestada por militantes de esquerda.

Quer se livrar de boatos? Clique para curtir o Boatos.org

Comentários polêmicos de Sheherazade fez com que ela se transformasse em um fenômeno também na internet. E claro, fez com que ficasse visada. Após entrevista no dia 12 de janeiro para a jornalista Mônica Bergamo da Folha S. Paulo, começou a circular na internet a informação de que ela seria funcionária-fantasma do Tribunal de Justiça da Paraíba.

A notícia surgiu no site Brasil 247 no dia 14 de janeiro. A nota intitulada “Confissão de Sherazade: é funcionária fantasma” (perceba que o nome da jornalista está escrito de forma errada) aponta que, durante a entrevista, ela havia admitido ser funcionária-fantasma do governo da Paraíba. Leia o trecho do site:

247 – Um trecho da entrevista de Rachel Sherazade à jornalista Mônica Bergamo, em que a apresentadora do SBT afirmou, entre outras coisas, que “Reinaldo Azevedo é um fofo” (leia aqui), vale como uma confissão. A jornalista, que vem ganhando terreno na arena neoconservadora, admitiu ser funcionária-fantasma do governo da Paraíba, a despeito dos rendimentos mensais de R$ 150 mil

Independente de gostar ou não dos comentários da apresentadora, a informação é, no mínimo, uma má interpretação do que foi dito na Folha de S. Paulo. Rachel Sheherazade é, na realidade, funcionária licenciada do Tribunal de Justiça da Paraíba. Na entrevista à Bergamo, ela aponta que vai pedir exoneração agora quando completar três anos de licença. Isso pode ser lido neste trecho:

Até então [ser apresentadora do SBT Brasil] fazia dupla jornada. Passou em um concurso para ser escrivã em um tribunal para ajudar a fechar as contas, porque o jornalismo na Paraíba “não bastava”. Está licenciada e termina nos próximos dias o período máximo de afastamento. “Vou pedir desligamento.”

Há grandes diferenças entre um funcionário público licenciado e funcionário-fantasma. Uma delas está nos vencimentos. O primeiro não recebe nada de salários. Já o segundo vive às custas do serviço público sem trabalhar. Vale lembrar que ser funcionário-fantasma é ilegal. Tirar uma licença não-remunerada de até três anos, não. Leia esse trecho da lei que trata dos funcionários públicos: 

Art. 91.  A critério da Administração, poderão ser concedidas ao servidor ocupante de cargo efetivo, desde que não esteja em estágio probatório, licenças para o trato de assuntos particulares pelo prazo de até três anos consecutivos, sem remuneração. (Redação dada pela Medida Provisória nº 2.225-45, de 4.9.2001).

 Casos de funcionários-fantasmas em cargos públicos periodicamente causam burburinho na imprensa. Só para citar alguns: Esta matéria da Folha fala de um caso de funcionário-fantasma na Câmara dos Deputados. Já esta matéria do G1 fala sobre um caso na cidade de Campinas. Por fim, a Gazeta do Povo fala de casos no Paraná.

Ou seja, na realidade, Rachel Sheherazade não é funcionária-fantasma. O próprio Brasil 247 se deu conta do erro na nota e modificou o título para “Confissão de Sherazade: três anos sem ir ao emprego público”. Porém, a notícia com a acusação de corrupção já havia se espalhado pelo internet. Notícia, por sinal, que informa erroneamente uma situação.

21 thoughts on “Informação falsa: Rachel Sheherazade é funcionária-fantasma na Paraíba

  1. Welkson Renny de Medeiros

    Direto da fonte:
    http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8112compilado.htm

    “§ 3o É vedado o exercício de atividade remunerada durante o período da licença prevista no inciso I deste artigo.”

    Inciso I: ” I – por motivo de doença em pessoa da família;”

    Ou seja, se ela pediu afastamento para tratar de assuntos pessoais, não vejo problema em ter uma outra atividade remunerada.

    Reply
  2. JOTA

    LICENÇA NÃO REMUNERADA, SABE-SE QUE ELE CONTINUA RECEBENDO NORMALMENTE, É CONVERSA FIADA. AUTORIZAR ISSO, SÓ PORQUE É ELA, PROVA O JEITINHO BRASILEIRO. SE FOR CONTRATADO OUTRO NESSE PERÍODO, QUANDO A JORNALISTA RETORNAR NÃO PODERÁ SER DEMITIDO ESSE OUTRO FUNCIONÁRIO, OU SEJA, PROTEÇÃO DADA A ELA, MAS QUE NÃO ATINGIRÁ QUANDO OUTRO FUNCIONÁRIO FIZER A MESMA SOLICITAÇÃO. E TEM MAIS: CONTINUA RECEBENDO SIM! VE SE ELA TEM CORAGEM DE ABRIR SEU SIGILO BANCÁRIO. NÃO É A PALADINA DA ÉTICA. SOU RADIALISTA E SERVIDOR PÚBLICO CONCURSADO. SE PUDESSE ENTREVISTAR MUITOS DESSES JORNALISTAS TERIA PERGUNTAS INTERESSANTES PARA ELES, MAS NÃO NESSES PROGRAMAS DE “fofos” CLASSES BENEFICIADAS PELA RIQUEZA DOS MAIS POBRES.

    Reply
  3. Wilson

    Partindo do 247 esperar o que ? Jornalismo chapa branca.

    Reply
  4. Rodrigo

    A informação não é tão falsa como dizem. A licença não remunerada para tratar de assuntos particulares não pode ser usada para o exercício de outra atividade remunerada, como é o caso da jornalista. Isso ela não fala. Eis a ilegalidade, o que é passível de penalidades. Durante o período de afastamento, ela não pode ter outro emprego. Os deveres e vedações ao servidor público continuam valendo durante o tempo da licença que, o próprio nome diz, serve para tratar de assuntos particulares, não para trabalho remunerado particular. A jornalista, em verdade, faz parte da velha elite que usa o Estado como trampolim e pé de meia e, quando não tem seus interesses atendidos, cospe no prato que come há anos.

    Reply
    1. Jr Oliveira

      Cara ela pode tirar essa licença para fazer o que quiser, inclusive para trabalhar em qualquer outro emprego do Brasil desde que não seja (outro) público.

      Reply
  5. MARCELO

    Raquel gosta muito de falar, assim comos os PASTORES QUE ELA VENERA

    Mas comete crimes…. TB…

    Reply
  6. José Roberto

    Eu sou servidor público e já usei este benefício do “afastamento sem vencimentos”. É uma oportunidade que o Estado oferece para que o funcionário encontre outro emprego, com a possibilidade de retornar, caso tenha interesse. Garanto que não é tão bom assim. Primeiramente, é necessário recolher os encargos previdenciários no período em que tiver afastado, o que é bem salgado para servidores públicos. E depois, este tempo de afastamento não conta pontos na carreira, nem no tempo de serviço para a aposentadoria.
    É lamentável que pessoas desonestas usem a desinformação para difamar seus desafetos com boatos desse tipo.

    Reply
  7. lucas silva silva

    nao eh isso ela entrou em 94 com 15 anos de seviço acumulado ela possui 9 meses de licença premio que sao sim remuneradas e mais as ferias do ano entao explica sim os meses remunerados sem trabalho e apos esse tempo pediu as licenças nao remunerada nao tem nada de errado nisso. errado eh fazer comentarios sem ter noçao do serviço publico

    Reply
  8. victor hugo

    Será falsa mesmo? Isso continua mal respondido… e ela não se explica…
    parece me lembrar o Demóstenes torres, paladino da justiça, com o rabo preso…

    “A nota da diretora do tribunal, Marcela Xavier Sitônio Lucena, não está mais no Facebook, e Rachel não voltou ao assunto. É fato que a jornalista não recebe salário do tribunal, como atestou a diretora de comunicação — mas desde 27 de fevereiro de 2012, quando estava no SBT em São Paulo havia quase um ano.

    Entre 1º de abril de 2011 e 27 de fevereiro de 2012, ela recebeu salário todos os meses, como se estivesse trabalhando, inclusive a gratificação pela função de confiança que ocupava na gerência de comunicação. Seu último salário líquido foi de aproximadamente R$ 5.700,00.”

    http://www.diariodocentrodomundo.com.br/licenca-nao-remunerada-ate-2015-a-historia-real-do-emprego-publico-de-rachel-sheherazade/

    Reply
  9. Paulo Moebius

    “É fato que a jornalista não recebe salário do tribunal, como atestou a diretora de comunicação — mas desde 27 de fevereiro de 2012, quando estava no SBT em São Paulo havia quase um ano. Entre 1º de abril de 2011 e 27 de fevereiro de 2012, ela recebeu salário todos os meses, como se estivesse trabalhando, inclusive a gratificação pela função de confiança que ocupava na gerência de comunicação. Seu último salário líquido foi de aproximadamente R$ 5.700,00.” Ou seja, não é boato não.

    Reply
    1. victor hugo

      exatamente…. todo mundo fica defendendo mas ela me lembra o demóstentes, bancando o paladino da justiça, e o rabo mais sujo que pau de galinheiro…

      Reply
    2. robson

      qual é a prova que vc tem dessa sua afirmação?

      Reply
    3. naldo

      Esta é outra mentira. Você leu isso em um lixo de nome “Diário do Centro do Mundo”.
      Eu escrevi um comentário observando que a licença prêmio é um direito de todo servidor público. Inclusive observei que o autor do artigo é falso.
      Sabe o que aconteceu? Apagaram o meu comentário em menos de 5 minutos.

      Reply
      1. Emilio

        A licença prêmio é um direito do FP, quando trabalha.

        Reply
  10. GB

    Reparem que a troca do sobrenome é proposital, para alegar, em caso de um processo por difamação, uma defesa de que não se referiam à Rachel do SBT. Este site chapa-branca do Brasil 247 – ou seria 171? – lançou a mentira de propósito, e é assim que trabalham os blogs da MAV-PT, a militância virtual pró-governo do PT.

    Reply
  11. Souza

    Chaga a série ridículo dizer que um funcionário público tenha salário de R$150.000,00!

    Reply
    1. Anderson Sousa

      O salário informado é o de apresentadora…

      Reply
    2. Roberto Silva

      Leia direito. O salário de R$ 150.000, 00 mensionado, é o que ela ganha no SBT.

      Reply
      1. Eduardo

        ela entrou em 94 com 15 anos de serviço acumulado ela possui 9 meses de licença premio que são sim remuneradas e mais as ferias do ano então explica sim os meses remunerados sem trabalho e apos esse tempo pediu as licenças não remunerada não tem nada de errado nisso. errado eh fazer comentários sem ter noção do serviço publico

        Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *