Esquiadora é perseguida por urso em montanha de neve, mostra vídeo #boato

Boato – Kelly Murphy gravou vídeo esquiando no parque Hakuba 47, no Japão. Vídeo mostra esquiadora sendo perseguida por um urso faminto na montanha de neve.

Os Jogos Olímpicos de Inverno de 2018 terminaram no final de fevereiro. Foram diversas provas e medalhas em disputa. Algumas modalidades não tão conhecidas por aqui, como o esqui na neve e o snowboard, chamaram atenção dos brasileiros.

As modalidades se destacam, principalmente, pela sua dificuldade e também podem ser perigosas. Afinal, as montanhas reservam ameaças como quedas, avalanches e ursos. Sim, ursos! Pelo menos de acordo com um vídeo que circula online desde 2016 e voltou a viralizar agora.

De acordo com o vídeo, uma mulher chamada Kelly Murphy teria gravado sua descida em uma pista de esqui, no Japão, enquanto era perseguida por um urso furioso. E a mulher afirma que não havia percebido a presença do urso até assistir as imagens. “Quando você só percebe que quase morreu devorado quando assistiu o que gravou”, diz mensagens do WhatsApp que acompanham a filmagem. Confira o vídeo e outra versão de texto:

Esquiadora Desligada é Perseguida Por Urso e Nem Percebe (No Fone Ela Ouve: “Work”, da Rihanna). Você já deve ter ouvido alguém falando que usar fones de ouvido pode ser algo perigoso em diversas situações, mas, no caso da snowboarder Kelly Murphy, o acessório também evitou que ela morresse de susto – e também não desse a mínima para o perigo que ela correu.

Isso porque, enquanto se preparava para uma descida tranquila de snowboard em uma montanha no Japão, fixando suas botas e cantarolando a música “Work”, da Rihanna, a moça não conseguiu ouvir o barulho de nada menos que um urso completamente alucinado correndo atrás dela.

Esquiadora é perseguida por urso em montanha de neve?

As imagens realmente impressionam, justamente por parecer que a esquiadora não tivesse percebido a presença do animal (que estava furioso). E apesar desse vídeo ter circulado em várias redes sociais (e ter assustado muita gente), ele não é verdadeiro. Quer saber o motivo? Então, continua lendo.

O vídeo, na verdade, já é antigo. Ele surgiu na internet em 2016. E o primeiro impasse observado nas imagens (e que denuncia a farsa) é o local da gravação versus a espécie do urso. O urso que aparece nas imagens é um urso marrom (ursus arctos ou grizzly), que é muito comum no Canadá, mas não no Japão. A maior parte dos ursos encontrados no Japão são pretos. Os ursos marrons até existem, mas povoam uma região muito específica do país (mais ao norte), que fica a quase mil quilômetros de distância do local da gravação.

E na própria publicação do vídeo você pode observar diversos comentários contestando a veracidade das gravações. Os usuários apontaram, dentre outras coisas, o fato do urso aparecer e desaparecer da cena. Além disso, se você prestar bastante atenção no rugido do animal, vai perceber que o áudio parece completamente artificial e não condiz com o rugido de um urso que estaria no local.

Por fim, a verdade (que tardou, mas não falhou). Na realidade, o vídeo foi gravado e editado pela agência The Woolshed Company. A montagem foi divulgada como “forma de estudo” (é sei…). Os criadores queriam entender como os vídeos se tornam virais. E vale ressaltar que esse não é o primeiro caso de vídeo viral da empresa, que já criou inúmeras gravações fakes ao longo dos anos. Confira a explicação da agência sobre o viral da esquiadora e o urso (traduzido do inglês):

Nós fazemos virais. Nós não só os produzimos, nós os concebemos, escrevemos, criamos e, estrategicamente, plantamos campanhas com vídeos virais. E nós fazemos isso tudo sem nenhum tipo de cachê da mídia, promoção ou distribuição.

Resumo da história: o vídeo é antigo e voltou a circular agora nas redes sociais. O vídeo apresenta diversas inconsistências, como a espécie do urso, o rugido do animal e o fato da Kelly ter simplesmente sumido depois da publicação do vídeo. Por fim, uma agência de vídeos virais já declarou ser autora do vídeo, que foi usado para estudar casos de virais na internet. Sendo assim, #boato. Até a próxima!

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61)99177-9164.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Em vez de copiar o nosso conteúdo, compartilhe no Facebook :)