Crianças dançam funk “da novinha” em escola no Brasil #boato

Boato – Vídeo mostra crianças dançando funk “da novinha” dentro de uma escola brasileira. Ajude a descobrir que escola é essa. 

O poder de visualização de um vídeo na internet é impressionante. Ainda se estuda o que faz um determinado conteúdo viralizar e outro cair no esquecimento. Porém, existem alguns padrões que podemos citar de tanto fuçar as redes sociais. Tudo que é polêmico, controverso, assustador ou engraçado acaba fazendo sucesso.

Quer se livrar de boatos? Clique para curtir o Boatos.org
Siga o Boatos.org no Twitter:
Envie uma mensagem com a palavra #boato para (61) 99331-6821 e agende este número no seu telefone para receber as nossas atualizações gratuitamente no WhatsApp

E é por causa dessas tendências que um vídeo tem bombado no Facebook nos últimos dias. As imagens compartilhadas em diversas páginas e perfis mostram crianças que aparentam não ter mais que 12 anos chocando as pessoas enquanto supostamente dançam o funk “da novinha”, que tem a seguinte letra: “Novinha, deixa de marra que eu sei que tu vai Gostar. Vem cá, vem cá, deixa eu penetrar”.

O conteúdo do vídeo está causando mais revolta ainda por que as crianças aparecem uniformizadas e estariam dentro de uma escola. Nas mensagens que compartilharam o vídeo (que não vamos mostrar aqui), as pessoas pedem que todos ajudem a descobrir onde fica a instituição que teria permitido tamanho absurdo. Confiram:

“Meu Deus! Olha o que essa ESCOLA ensina as crianças! Vamos compartilhar até que as autoridades tomem providências.”; “Isso ai é que muitos pais acham engraçado, ensinar a palavra de Deus ninguém quer. Por isso a causa da pedofilia. Atenção país, assistam em vídeo absurdo, olha a que ponto chegaram as nossas escolas, aceitando esse tipo de dança sensual com crianças que teriam que ser inocentes nessa idade. Divulguem até que alguém reconheça o uniforme para sabermos o nome dessa escola, para denuncia-la!”; “Atenção Polícia Federal…”

Crianças aparecem dançando funk da novinha dentro de uma escola no Brasil?

Juntas, as três páginas que selecionamos somam mais de 1,7 milhão de visualizações. Em apenas uma delas, o número de compartilhamentos chegou a 12 mil. Ou seja, o povo está abismado com o vídeo. Porém, está abismado com um conjunto muito bem elaborado de informações erradas.

Sem delongas, o vídeo não é de uma escola brasileira. A análise dos uniformes bastaria para perceber que não se trata de uma instituição de ensino no nosso país. As imagens são, na realidade, de uma escola em Cuba.

O conteúdo que está causando furor agora tomou conta do cenário internacional em abril de 2016 quando o pai de um dos alunos que aparecem nas imagens decidiu postar a dança das crianças. A reação das pessoas no Facebook foi variada, mas em sua maioria contrária ao vídeo que chegou a alcançar 7 milhões de visualizações. O assunto virou pauta da mídia e saiu em grandes jornais como os ingleses Mirror e o Daily Mail.

E, obviamente, o vídeo que estão compartilhando no Brasil foi alterado, para enganar as pessoas colocaram a música de um funk por cima do ritmo cubano que é dançado originalmente. Aqui o link para versão verdadeira que foi censurada. A versão brasileira não tem censura, mostra sem o menor cuidado o rosto das crianças e, portanto, não vamos compartilhar.

Como bem resumiu a leitora Gislaine Rocha, “o texto diz que um professor ensinou essa dança aos alunos. Mas, dá para notar claramente que o áudio foi alterado, além do uniforme não ser comum nas escolas brasileiras”. Resumindo, estão espalhando um vídeo alterado e criando um contexto todo errado por aí.

PS: Esse artigo foi uma sugestão dos leitores Rodrigo Soriano, Gislaine Rocha, Marlise Feier, Rosa Maria Wanderley e diversos leitores via WhatsApp. Se você quiser sugerir um tema para o Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook ou WhatsApp, no telefone (61) 99331 6821.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Em vez de copiar o nosso conteúdo, compartilhe no Facebook :)