Bandidos usam golpe da floricultura e O Boticário com leitura facial para financiar carros no Itaú #boato

Boato – Bandidos estão usando golpe da falsa floricultura e loja do O Boticário para realizar reconhecimento facial com um aplicativo e financiar veículos no Itaú.

Um dos tipos de boatos mais clássicos e mais difíceis de se desmentir é aquele que fala do novo “golpe” mirabolante na praça. Por, normalmente, ter um caráter extremamente vago e por, em alguns casos, ser sugestivo (dá ideia para bandidos), muitas dessas histórias ficam sem ser desmentidas. Não é o caso da de hoje.

Está circulando na internet uma mensagem que aponta para um suposto “novo golpe na praça”. Na história, a pessoa (que não se identifica e não diz em que cidade ocorreu o golpe) aponta que tudo começou com uma mensagem de um suposto presente que teria recebido de uma floricultura.

Entre confusões de que se tratava de uma floricultura ou de uma loja do O Boticário, a pessoa relata que teve que escanear o rosto em um aplicativo de escaneamento facial. Depois a pessoa relata que, alguns dias depois, um carro foi financiado na Itaú Financiadora de Veículos por R$ 85 mil (não sem antes ela ter feito B.O.). Leia a mensagem que circula online:

ATENÇÃO!!! NOVA MODALIDADE DE GOLPE! Relato de uma vítima do Golpe!!! Pessoal, vou relatar aqui algo que aconteceu recentemente comigo e que acho que vai me trazer muita dor de cabeça ainda, *mas servirá para alertá-los!* No dia *05/04/21* fui procurada por uma suposta *”floricultura”*, pelo WhatsApp, onde a pessoa dizia que eu estava ganhando um presente, o qual deveria ser entregue em mãos. Essa pessoa tinha meu nome e endereço completos e nem me pediu que eu confirmasse nada. Apenas me disse que o motoboy iria me entregar e depois ela me enviaria um Cartão Digital com fotos e vídeos e eu entenderia do que se tratava.

Enfim, quando o motoboy me entregou uma embalagem com produtos do *Boticário*, eu estranhei, pois esperava “flores” Questionei o rapaz sobre o produto e ele me disse que não sabia de nada, que era terceirizado e apenas estava fazendo a entrega. Me deu o celular dele, com um aplicativo que faz a *leitura facial,* para que eu escaneasse meu rosto, como forma de protocolo. Bom achei que era válido, pq hoje em dia a gente até assina com o dedo no celular do entregador… Após isso, a pessoa me retornou no WhatsApp dizendo que o brinde se deu por ter preenchido alguns cupons no Boticário.

Entrei em contato com a loja e me disseram que essa informação não procedia! Naquele momento eu tive a certeza de que tinha caído num golpe, só não sabia o que fariam com meu rosto e quais seriam as consequências. Assim sendo, fiz um B.O. on line, no mesmo dia. Em *15/04/21* recebi uma ligação da Financiadora Itaú de Veículos!! Resumindo, compraram um carro, um Hyundai/Santa Fé no valor de *R$ 85.000,00* em meu nome Ou seja, *naquele momento em que eu escaneava meu rosto, na vdd eu estava “assinando um contrato de financiamento de veículo”!!* *Pessoal, tomem cuidado com esse tipo de protocolo que escaneia o rosto ou qualquer outra coisa* *Divulguem a seus contatos, para que todos fiquem prevenidos e não caiam neste golpe, como eu caí*

Bandidos usam golpe da floricultura e O Boticário com leitura facial para financiar carros no Itaú?

Muita gente compartilha esse tipo de mensagem achando que vai ajudar alguém. Porém, no caso da mensagem de hoje (que trata de uma situação sem lógica e sem chance de ser executada), o que pessoas e até páginas no Facebook estão fazendo é um desserviço.

Mesmo que a mensagem tratasse de um caso real, é muito importante que um relato como esse tenha mais informações. Cadê o nome da pessoa para checarem onde ocorreu o caso? Cadê a cidade para que uma população em específico ser alertada? Cadê um relato de desdobramento de caso? E cadê as provas? O suposto B.O, por exemplo.

Quando uma mensagem é escrita dessa forma (extremamente vaga, alarmista, sem citar fontes confiáveis para que sejam “batidas as informações” e pedido de compartilhamento) é grande a chance de que ela seja tão replicada que passe a circular até em localidades muito distantes de onde saiu a mensagem. Ou seja: mesmo se fosse um relato real, não valeria a pena o compartilhamento.

Além das características da mensagem já citadas (que denotam que se trata de um boato), há alguns furos que fariam o tal golpe ser inviável. Se analisarmos a história, se trata de um boato que deixa muitos lastros (algo que não é muito interessante para quem realiza uma tarefa ilegal).

O primeiro seria nos próprios contatos telefônicos (ou por WhatsApp). Hoje, já há tecnologia para rastrear registros em telefones (claro que isso seria “contornado” com um número clonado). O segundo seria no “motoboy”. É óbvio que ele está se expondo ao “entregar os produtos O Boticário” para a vítima e pedindo o “reconhecimento facial”.

O terceiro e mais importante está no registro do veículo. Comprar um carro não é uma tarefa muito simples. Aí eu lhe pergunto: o que adianta dar um golpe e pegar um carro em nome de outra pessoa? Será que o carro, placa e dono não seriam facilmente encontrados? Ou seja: com todas essas chances de ser pegos, não seria mais fácil (para um ladrão) aproveitar uma oportunidade e furtar (ou roubar) um carro?

Para terminar, a assessoria do Itaú apontou para uma grande contradição na história. Ao contrário do que aponta a mensagem, o reconhecimento facial não é feito por um aplicativo de terceiros ou mesmo pode ser feito com “fotos” e “vídeos” previamente capturados.

Vale dizer que, quando se realiza um financiamento, você precisa disponibilizar documentos físicos, comprovantes de rendimentos e extratos. No caso do Itaú (conforme apuramos com a assessoria de imprensa do banco), isso é feito por meio de concessionárias credenciadas no banco. Ou seja: ao contrário do que sugere o texto, não dá para fazer “tudo online”. Veja o que foi escrito:

Todo processo de concessão de crédito automotivo feito nas concessionárias e lojas parceiras conta com uma plataforma do Itaú em que o cliente preenche seus dados e realiza o envio de documentos em conjunto com o lojista para solicitar o financiamento ao banco. A proposta de financiamento precisa ser digitada na plataforma do produto mediante acesso com as informações legitimas de uma revenda credenciada.

Logo após o envio das informações preliminares, o cliente será contatado automaticamente pelo Itaú via e-mail e SMS com instruções para que possa ativar o sistema de câmera de seu celular e capturar uma foto instantânea que ajudará a validar a concessão de crédito. Sendo assim, não é possível usar aplicativos de terceiros. A tecnologia utilizada no Itaú para validação de biometria facial faz checagem de vida, ou seja, não é possível utilizar fotos ou vídeos no processo.

Resumindo: é claro que é preciso tomar muito cuidado com golpes por aí (o manjado golpe do motoboy que o diga). Porém, a história que aponta para o golpe do reconhecimento facial, das características da mensagem e falta de lógica no modus operandi, não passa (até que se prove o contrário) de mais um boato que circula online.

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61)99177-9164. 

Ps2: Confira a nossa nova seção “Oportunidades” clicando aqui. Na página, você pode acesso a promoções, descontos e sites que dão brindes.

 – Siga-nos no Facebook http://bit.ly/2OU3Zwz
 – Siga-nos no Twitter http://bit.ly/2OT6bEK
 – Siga-nos no Youtube http://bit.ly/2AHn9ke
 – Siga-nos no Instagram http://bit.ly/2syHnYU
 – Grupo no WhatsApp https://bit.ly/3aIzl5T
 – Lista no Telegram https://bit.ly/2VSlZwK
 – Siga-nos no TikTok https://bit.ly/38hcBcy

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet