Informação errada: Brasil é o único país do mundo com o padrão de tomada atual

By | 11/04/2014
Brasil é o único país que usa esse modelo de tomada, diz boato

Brasil é o único país que usa esse modelo de tomada, diz boato

Boato – O Brasil é o único país do mundo que adota o padrão de tomada atual. Outros padrões chegam a ser usados por até 46 países.

Uma das mudanças que mais têm causado insatisfação nos brasileiros é o do novo padrão de tomadas. Em vigor desde 2007, muitas pessoas reclamam que não “conseguem ligar nada” nelas. E claro, aproveitam para criar alguns boatos.

Quer se livrar de boatos? Clique para curtir o Boatos.org

Um deles é uma imagem que foi divulgada uma imagem no Facebook . A foto mostra quantos países utilizam os padrões de tomada americano (46), inglês (41), europeu (104), paquistanês (39), australiano (15), “universal” e o brasileiro. O texto diz que o Brasil é o o único a utilizar a tomada atual. Leia um texto que acompanha a imagem:

Modelo brasileiro, utilizado em um único país. Depois que troquei a tomada, reduzi 70% da conta não consigo ligar porra nenhuma nela.

Nos comentários mesmo de algumas postagens, há contradições. Um usuário do Facebook afirma que “Pra quem não sabe o padrão brasileiro é igual ao suíço”. E aparecem muitas reclamações e acusações, como “Bom…. dizem por ai que o detentor da patente do padrão Brasileiro de tomadas é o filho do Lula!!!!! e que ele irá ganhar uma grana sem fazer nada por 20 anos…….. #thebombhasbeenpnated”

Enfim, a questão: O Brasil é o único que utiliza o modelo padrão de tomada atual? Não. E além disso, não existe um padrão universal, apesar de tentativas feitas pela Comissão Elétrica Internacional (IEC), vários países estabelecem seus próprios padrões. No mundo todo existem mais de 100 modelos e o Brasil tomou como referência a norma internacional da IEC 60906-1.

O padrão brasileiro foi definido pela ABNT, em 1998, depois de quatro anos de estudos e discussões do governo, com consumidores, produtores, importadores e pesquisadores. Em 2000, o Inmetro transformou a Norma da ABNT em Regulamento Técnico, de uso obrigatório. A partir disso, os plugues e tomadas fora do padrão só poderiam ser colocados no mercado até o ano de 2006. Como dito antes, o atual padrão entrou em vigor em 2007.

Em 2009, o Inmetro estabeleceu prazos para que a fabricação e exportação de plugues fosse feita no novo padrão até 01/01/2010. E a entidade também definiu que a partir de 01/07/2011 empresas não poderiam mais vender equipamentos fora do padrão. Foi um longo período de transição, com adiamento de prazos e ainda em 2014, alguns brasileiros sentem dificuldade na adaptação.

O modelo da norma IEC 60906-1 foi criado para ser o tipo de tomada mais comum, para ser utilizado em toda a União Europeia e outras partes do mundo. Porém, até o momento, apenas o Brasil, a África do Sul e a Suíça implantaram o padrão parcialmente, pois nem todas as dimensões dos dois modelos são idênticas. A imagem pode ser vista aqui.

Resumindo: apesar de todas as reclamações (realmente não é fácil mudar algumas coisas), a imagem apresenta erros: não existe padrão universal de tomada e o Brasil não é o único país com o padrão de tomadas atual.

17 thoughts on “Informação errada: Brasil é o único país do mundo com o padrão de tomada atual

  1. José Silva

    Tomadas ABNT – NBR 14136 baseada na norma internacional IEC 60906-1

    Aos senhores responsáveis pela criação / testes / aprovação da NBR 14136:

    Tantos técnicos e engenheiros e não conseguiram criar um padrão internacional que impeça o usuário de ligar um aparelho de 117v em uma tomada de 230v?

    Não seria uma questão de gabarito e encaixe? Com fendas e guias para orientar o usuário?

    Não criaram um padrão que impeça o uso de um equipamento com motor de 50 ciclos ser ligado em uma rede de 60 ciclos (hertz) e vice-versa;

    As tomadas de 20A são mais largas. Assim ao ligar um aparelho com tomada de 10A elas ficam frouxas, causando mau contato.

    E quanto aos aparelhos bi-volt e multi-ciclos (90-230 VAC 50-60 Hhz), tais como carregadores de celular e outros: deveriam se conectar sem problemas em qualquer alternativa de formato no encaixe.

    Não criaram um padrão que impedisse de fato um choque elétrico acidental em uma criança curiosa.

    O mundo está assim tão carente de pessoas capazes?

    Quanta inteligência não!!!!!
    As crianças pequenas bricam com um brinquedo de encaixe aonde uma peça quadrada não se encaixa em um orifício triangular ou redondo. E os adultos não conseguem pensar em uma solução simples para criar um padrão realmente útil e funcional!!!

    Também não criaram os padrões para conversão de sistemas, Um cabo americado deveria se encaixar em um adaptador para padrão NBR 14136 e vice-versa, sendo reutilizável. Como nada foi pensado a respeito, se utilizam de benjamins, que por sinal são criativos no sentido de conectar tudo em tudo, porém sem segurança nenhuma. Parabéns!!

    E não pára por aqui.
    Não há indicação nas tomadas nacionais dos ponto de conexão de Fase / Neuto / Terra; nem mesmo nas embalagens. Sendo assim, com a inversão entre Fase e Neuto nas residências o risco de choques elétricos, danos aos equipamentos e princípios de incêndios aumenta. Sem falar que de fato o Terra e Neutro estão quase sempre em curto. Criar, manter e monitorar um aterramento adequado pode ser caro e complexo.

    Não é atôa que cada pais crie um padrão próprio ou adote um obsoleto, já que ninguém propõe algo melhor.

    O Brasil que se propõe a mudar, que se propõe a arcar com estes custos e problemas, deveria então criar algo útil, a ser comemorado e seguido por outros. Uma bôa idéia é sempre copiada.
    Seguindo a IEC 60906-1, que era utilizada somente pela Suiça (na verdade o padrão Suiço apresenta dimensões diferentes) o Brasil perde uma grande oportunidade de contribuir, de entrar no mapa dos colaboradores para um mundo melhor.

    E quem se lembra do Kit de primeiros socorros nos automóveis, tornado obrigatório pelo governo?
    RESOLUÇÃO Nº 42, DE 21 DE MAIO DE 1998
    Dispõe sobre os equipamentos e materiais de primeiros socorros de porte obrigatório nos veículos a que se refere o art. 112 do Código de Trânsito Brasileiro
    Foi abandonado em seguida, com a mesma falta de explicações lógicas que a implementaram!

    É o Brasil da tentativa e erro. Da inconsequência. Copiando o que não deveria ser copiado, só porque é mais fácil, e deixando de lado o que realmente importa ao interesse comum, já que é mais difícil, mais complicado.

    O mundo de hoje possui mais de 7 bilhões de pessoas, mas realmente pouquíssimas com capacidade e dignidade para melhorar o planeta!

    Segundo a ONU, em 2013, dos 7 bilhões de habitantes do planeta, 6 bilhões possuem celulares, mas 2,5 bilhões não têm acesso a saneamento básico.

    Creio que isto diz muito a nosso respeito.

    Reply
  2. Tiago NET

    adotasse o padrão dos pcs: 2 pinos chatos e redondos e 1 pino para terra! simples seria compativel com todos os aparelhos! fizeram o padrao pensando nas crianças que enfiam metais nas tomadas! mas ainda vao continuar enfiando pq é um buraco! simples assim! adotasse um padrao de 2 pinos entao sem afundar mto pra dentro!

    Reply
  3. Tiago NET

    existe o padrao universal de tomadas que é akele q tem 3 pinos usado em pcs! cabe tanto os pinos chatos e redondos – padrao norte americano e europeu! fizeram foi uma copia do tipo L de tomadas usado na italia

    Reply
  4. Guilherme

    Esse padrão que o Brasil adotou é uma regulação internacional do IEEE (a maior associação de profissionais do mundo, quase todos com ligações com a ária de engenharia elétrica). Ela foi considerada a mais segura por uma comissão. O Brasil e a Suíça forma os primeiro a adotarem, mas a intenção é que até 2030 a maioria dos países migrem pra esse padrão.

    Reply
  5. Paulo

    Tesxto besta.. nao fala quais outros paises tem essa tomada,, alem disso o diametro dos pinos do padrao suico eh maior…. bah… pradao brasileiro eh soh brasileiro.

    Reply
  6. amauri

    Bla…bla.bla…sou eletricista com 32 anos de profissão, não se justifica essa mudança de padrão alegando segurança…se observarmos os índices de choques elétricos domésticos a esmagadora maioria é por falta de aterramento em equipamentos domésticos e condutores não isolados…com essa implantação pela ABNT guela abaixo, fortaleceu como nunca a indústria da Gambitech…com certificação em Provisórius Definitivus…adapatadores e “TÊS” onde se propicia mais ocorrências de mal contato e elimina o pólo de aterramento…na teoria tudo é lindo….

    Reply
    1. Renan Lopes

      Somos obrigados a aceitar tamanha imbecilidade de alguém que recebeu propina para criar ou deixar liberar um produto que não atende os requisitos de segurança necessários (a ABNT) ou alguém do governo criou isso de graça, imagine os senhores quanto custou para as empresas para o cidadão e diversas entidades para fazer esta mudança, quanto lucrou as industrias que fabrica as novas tomadas, de graça não foi. Sou técnico em eletricidade e venho há muito tempo criticando este padrão que só atrapalha a vida das pessoas,VAMOS FAZER UMA ANALISE. 1º Para oferecer uma segurança maior para as pessoas deveria ser obrigatário ouso de aterramento nas instalações,não é obrigatório proprietário é que decide mesmo dependendo habites, 2º estas tomadas são com 3 pinos, mas existe os alinhados ou não o que entra em conflito com muitos consumidores, 3º se precisa de segurança pessoal quem dá esta segurança é o “DR” e não pino de tomada, 4º este sistema expõem muito mais o usuário,porque começa usar o famigerado BENJAMIN, o corte do 3º pino para poder encaixar na tomada, as extensões, tudo isso expõem muito mais risco ao usuário, além de quando vc adquire um produto de origem estrangeira ele não se adapta e vc não pode trocar o plug do aparelho sob. pena de perder a garantia, NÃO CONTRIBUIU EM NADA PARA O PAIS , HOUVE CORRUPÇÃO GRANDE NESTA MUDANÇA, sou da are de elétrica e nunca fui convidado para opinar sobre o assunto.

      Reply
  7. Caledonian

    Artigo não convincente.
    Independente de quando o estudo foi feito e ter sido definido pela ABNT foi implantado no governo Lula, ele tinha o poder de vetar essa excrescência e não o fez. E como o cara é o maior tramposo que já apareceu na política eu duvido que ele ou a família dele não tenha ganho alguma coisa nessa mudança obrigatória dos padrões de tomadas. Já está se falando que a filha dele tem parte nisso:
    https://www.facebook.com/1467589786823536/photos/a.1467592893489892.1073741828.1467589786823536/1606890216226825/?type=1

    Reply
  8. Alexandre

    Nos comentários mesmo de algumas postagens, há contradições. Um usuário do Facebook afirma que “Pra quem não sabe o padrão brasileiro é igual ao suíço”.

    Sim, o padrão suiço é igual o nosso.

    Reply
    1. João Paulo Vaz

      Prezado Alexandre, a informação está errada. O padrão suíço de tomadas é diferente do brasileiro. O padrão suíço é baseado na norma suíça SN SEV 1011. A nossa norma para tomadas é a NBR 14136, baseada na norma internacional IEC 60906-1, cuja ideia inicial em 1986 era de padronizar as tomadas em todos os países do Mundo. Apesar de se parecerem muito, os padrões suíço e brasileiro têm diferenças dimensionais importantes.

      Reply
    2. Leandro

      Não fale do que não sabe, os padrão NÃO SÃO IGUAIS. O diametro e posicionamento dos pinos são diferentes, se fossem iguais, o padrão suiço não seria o TIPO J e o do brasil TIPO N; ambos seriam ou “N” ou “J”. A não ser que no seu vocabulário J=N.

      Reply
  9. Valentim

    Essa é mais uma das atrapalhadas do governo inapto petista dos últimos anos, além de ser incompatível com todas as tomadas do mundo (antes tínhamos uma tomada que unia os padrões europeu e americano em uma única tomada), ela por vezes é incompatível entre produtos e tomadas com o mesmo padrão: tenho um micro-ondas e uma lavadora de pressão, que seus plugs são incompatíveis com as tomadas no novo padrão, um verdadeiro absurdo, só em país atrasados como o Brasil que isso é possível.

    Reply
    1. João Paulo Vaz

      Valentim, o governo não regula padrão de tomada. A responsabilidade pela adoção do novo padrão de tomada é da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), uma entidade privada, sem fins lucrativos. Ela reúne especialistas de diversos segmentos para a criação de normas técnicas. Uma dessas normas é a NBR 14136, que veio regular o padrão de tomadas no Brasil, justamente porque não tínhamos um padrão. A trapalhada é de quem traz produtos para o Brasil sem saber qual o plugue adequado. Esse novo padrão é muito mais seguro no que diz respeito a choque elétrico, como engenheiro eletricista posso lhe garantir isso. Se sua casa tem tomadas antigas, sugiro trocá-las todas pelo padrão novo.

      Reply
  10. Valentim

    Essa é mais uma das atrapalhadas do governo inapto petista dos últimos anos, além de ser incompatível com todas as tomadas do mundo (antes tínhamos uma tomada que unia os padrões europeu e americano em uma única tomada), ela por vezes é incompatível entre produtos e tomadas com o mesmo padrão: tenho um micro-ondas e uma lavadora de pressão, que seus plugs são incompatíveis com as tomadas no novo padrão, um verdadeiro absurdo, só em país atrasados como o Brasil que isso é possível.

    Reply
    1. Alceu S Grandi

      Alguém que culpa “um” governo por algo que perpassou 5 GOVERNOS e foi discutido e aprovado ainda em __________________1998 *______________, NÃO tem cérebro! É o caso da Valentina, acima!

      “O padrão brasileiro foi definido pela ABNT, em 1998 *, depois de quatro anos de estudos e discussões do governo, com consumidores, produtores, importadores e pesquisadores. Em 2000, o Inmetro transformou a Norma da ABNT em Regulamento Técnico, de uso obrigatório. A partir disso, os plugues e tomadas fora do padrão só poderiam ser colocados no mercado até o ano de 2006. Como dito antes, o atual padrão entrou em vigor em 2007.

      Em 2009, o Inmetro estabeleceu prazos para que a fabricação e exportação de plugues fosse feita no novo padrão até 01/01/2010. E a entidade também definiu que a partir de 01/07/2011 empresas não poderiam mais vender equipamentos fora do padrão. Foi um longo período de transição, com adiamento de prazos e ainda em 2014, alguns brasileiros sentem dificuldade na adaptação.”

      Reply
      1. Anonimo

        A questão é que fizeram quatro anos de estudos e discussões do governo, com consumidores, produtores, importadores e pesquisadores mas esqueceram de olhar para “baixo” não se importaram com os custos das mudanças e ainda aproveitaram para obter um lucro absurdo com as trocas. O padrão internacional evitaria uso de adaptadores e ainda seguiria as normas. 4 anos de estudo pra um resultado tão egoísta, aproveitador, exploratórios. Você acham mesmo que o Grande Brasil vai ser referencia em algo no exterior com tudo isso? Nem sonhando… Pq o Brasil só se mostra uma vergonha… Principalmente Social…

        Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *