Boato: Putin era alvo de rebeldes russos que derrubaram avião

By | 28/07/2014
Boato diz que Putin seria alvo de rebeldes russos

Boato diz que Putin seria alvo de rebeldes russos

Boato – O verdadeiro alvo dos rebeldes que derrubaram avião MH17 da Malaysia Airlines era o presidente da Rússia, Vladimir Putin.

O desastre do voo MH17 com o Boeing 777, da Malaysia Airlines, nem bem esfriou e as teorias da conspiração já começam a chegar. A primeira teoria, que foi fortemente divulgada na mídia, dizia que os alvos dos rebeldes pró-Rússia eram os 100 cientistas que viajavam para o Congresso de Estudos sobre a AIDS. Segundo a notícia, a indústria farmacêutica teria sido a mandante do crime. Porém, a história já foi desmentida aqui no Boatos.org.

Quer se livrar de boatos? Clique para curtir o Boatos.org

Dessa vez, a nova história envolve até o presidente da Rússia, Vladimir Putin. A teoria já foi divulgada até em sites brasileiros famosos, como o caso do R7. Segundo o site, o alvo dos rebeldes era nada mais, nada menos do que o presidente Vladimir Putin. O site informa que os dois aviões cruzaram o mesmo ponto próximo da Polônia e inclusive mostraram fotos dos dois aviões, sugerindo que seria fácil confundi-los a determinada altura.

No Brasil, a história surgiu no site Vermelho.org e dizia que as informações vieram da agência russa Interfax. Segundo o site, uma fonte da aviação russa contou que o voo da Malaysia Arilines foi abatido acidentalmente e o alvo correto era o avião presidencial. Confira um trecho da matéria abaixo:

Aviação russa suspeita que alvo era avião de Putin

Uma fonte não identificada da Rosaviatsia (Aviação Russa), a agência que controla e regula o sistema aéreo da Rússia, disse nesta quinta-feira (17) à agência de notícias Interfax que o avião da Malaysia Airlines que foi abatido por um míssil foi confundido como sendo o avião presidencial russo, um Ilyushin-96.

“Quem abateu o Boeing 777 da Malaysia Airlines, poderia ter como alvo um atentado contra o presidente da Rússia, Vladimir Putin, informa a agência russa.

“Posso dizer que o avião do presidente russo e o Boeing malaio intersectaram-se no mesmo ponto e no mesmo nível de voo, mas em momentos diferentes. Isso aconteceu perto de Varsóvia no nível de voo 330 numa altitude de 10.100 metros. O avião do Vladimir Putin estava lá às 16h21, hora de Moscou, o avião malaio às 15h44, hora de Moscou”, disse uma fonte na agência Rosaviatsia.

Ok, agora vamos seguir uma linha de raciocínio para entender porque essa notícia não passa de mais um boato. Começamos procurando nas fontes da notícia, A Agência Interfax e o Rússia Today.

Como a Intefax é uma agência de conteúdo fechado, não conseguimos encontrar a matéria. No Russia Today, achamos a matéria em inglês. De fato, a matéria ajuda a entender muita coisa. Quem tem um conhecimento básico do inglês, conseguiu perceber que a matéria original do Russia Today está incompleta no português.

Segundo a reportagem original, a Interfax liberou sim uma nota dizendo que o avião presidencial sobrevoou a Ucrânia ao mesmo tempo que o voo da Malaysia Airlines, porém, o site diz também que três outras agências negaram as informações e confirmaram que o presidente Vladimir Putin não sobrevoou a Ucrânia no mesmo momento e muito menos pensou em sobrevoar a Ucrânia.

Uma delas foi a Gazeta.ru, o avião presidencial sempre faz as decolagens e aterrissagens no terminal Vnukovo-3, que fica localizado na Rússia. Ainda segundo o site, Putin estaria retornando da reunião de cúpula do BRICS, que aconteceu no Brasil, no dia 16 de julho.

Aí entra o elemento que mais tira a lógica da história. No dia 23 de julho, a agência Reuters publicou em seu site uma entrevista com um dos comandantes rebeldes pró-Rússia na Ucrânia. Na entrevista, ele confirmou que o grupo tinha posse do míssil capaz de abater o avião. Ainda segundo a matéria, um porta-voz do Pentágono, nos Estados Unidos, confirmou a suspeita de que a Rússia estivesse fornecendo o equipamento para os rebeldes.

Eileen Lainez, um porta-voz do Pentágono, disse que Khodakovsky confirmou o que os oficiais americanos estão dizendo há algum tempo, que “os separatistas russos está recebendo armas, treinamento e apoio da Rússia”. [SIC]

Ou seja, por que matar alguém que está apoiando o seu grupo a se separar de um país que você não quer viver? É algo bem contraditório usar o míssil fornecido pela Rússia para matar o presidente do país. Se fosse para matar algum político, com certeza o alvo seria da Ucrânia.

Com base nisso, as forças secretas dos Estados Unidos acreditam que a explicação mais plausível para o desastre é de que os rebeldes tenham confundido o avião comercial com caças ucranianos. Em reportagem veiculada no dia 17 de julho, o UOL afirma que os rebeldes já derrubaram outros aviões ucranianos na região.

Segundo a matéria, os rebeldes já teriam derrubado outras 10 aeronaves e, portanto, possivelmente teriam derrubado o avião por engano, pensando que seria um avião militar ucraniano.

Os separatistas pró-Rússia que moram na região estão em constantes conflitos contra as forças armadas da Ucrânia. Inclusive, já assumiram a autoria da derrubada de alguns caças ucranianos. Ao que tudo leva crer, o voo MH17 da Malaysia Airlines foi abatido por engano. Ou seja, nada de teoria da conspiração. E, novamente, Putin escapa ileso.

Pra quem não sabe, Putin já foi envolvido em outro boato sobre tentativa de assassinato. Segundo as informações dos conspiradores, a Nova Ordem Mundial crê que Putin não está seguindo as ordens e, portanto, precisa ser eliminado da elite. É muita história para pouco acontecimento, de fato. Com isso, jogamos a história na seara da boataria. Até que se prove o contrário com argumentos mais consistentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *