Garoto perde os dedos ao atender celular carregando #boato

By | 27/11/2016

Boato – Um garoto perdeu os dedos e quase a face ao atender um celular que estava carregando. O alerta é grave.

Uma das maiores preocupações das pessoas na internet nos últimos tempos está, muito provavelmente, na palma da sua mão. O que tem de gente preocupada com histórias de celulares que explodem e causam acidentes graves para as pessoas não está no gibi. E hoje vamos falar de mais uma delas.

Quer se livrar de boatos? Clique para curtir o Boatos.org

Garoto perde os dedos depois de atender celular carregando, diz boato

Garoto perde os dedos depois de atender celular carregando, diz boato

A mais nova (nem tão nova assim) história que circula online dá conta que um garoto perdeu os dedos da mão e quase a “face” (seja lá como isso possa acontecer) ao atender uma ligação com o telefone carregando. As imagens são chocantes. Duas mostram a mão “estraçalhada” e outra mostra um celular que teria explodido. Leia o texto que está junto a elas:

Garoto perde os dedos e quase a face ao atender o celular no carregador, isso é GRAVE, NÃO MEXA COM O CELULAR NO CARREGADOR! REPASSE a amigos e familiares! NÃO É BRINCADEIRA!!!

Garoto perdeu os dedos ao atender celular carregando?

É claro que a história foi hiper compartilhada online, principalmente entre leitores do Facebook e WhatsApp. Mas será mesmo que o garoto perdeu mesmo os dedos por causa do telefone carregando? A resposta é não. Vamos aos fatos.

Histórias que apontam para graves acidentes com telefones carregando são comuns na internet. A maioria delas têm mais ou menos este roteiro: uma alerta para não usar o telefone enquanto ele estiver carregando e uma foto digna de fazer as pessoas vomitarem. Aqui no Boatos.org já desmentimos algumas histórias a respeito do assunto.

Uma delas dizia que um incêndio na Tijuca (ou Salvador) foi causado por um celular carregando. Também tem a história da criança que morreu após colocar o fio do carregador na boca, o do homem que perdeu a “cara” ao celular explodir, a da mulher que morreu queimada com o celular embaixo do travesseiro e a do menino que morreu após atender uma ligação com celular carregando. O que há em comum em todas essas histórias?

Duas coisas: são histórias sobre telefones e são “causos” em que as imagens não condizem com os fatos. A mesma coisa acontecem com as imagens. O segredo para desvendar o mistério está justamente nas imagens.

Você notou que o celular é da marca “Oppo”. Trata-se de uma marca indiana que parece não ter muito a simpatia das pessoas daquele país. A mesma foto foi postada em diversos “acidentes”, todos eles desmentidos neste link.

De acordo com as nossas pesquisas, a postagem que “fez sucesso na Índia” dizia que o menino sofreu o acidente porque estava jogando enquanto o celular estava carregando. Era de um site de notícias? Não! Era de um perfil do Twitter. Ou seja, não saiu uma notícia a respeito do tal caso. Além disso, olha a contradição: a história começou na Índia com o celular que explodiu com o menino jogando e acabou no Brasil com o celular que explodiu com ele falando. Isso já aponta para uma balela.

Agora preste atenção na mão do menino. Por que ela está à mostra e há um pano por baixo? O contrário não seria mais lógico (o pano na mão)? E porque ele está com uma expressão tão “serena” mesmo com os dedos arrebentados? E mais: a mão não parece ser mais velha do que de um menino? O que chamou é como o telefone fez tanto estrago no garoto (até na testa) se sequer destruiu a película?

Por tudo que estamos vendo e pela falta de informações mais concretas sobre o caso, podemos afirmar que a história não passa de um boato que circula. Não podemos atestar que seja impossível um telefone explodir (é bem incomum, com certeza), mas que esta história é falsa, isso sim podemos atestar.

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de diversos leitores. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook ou WhatsApp no telefone (61) 99331-6821.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *