Mônica Moura forjou prova contra Dilma ao criar e-mail em 2017 #boato

Boato – Google desmente delação de Mônica Moura ao apontar que e-mail Iolanda foi criado em 2017. Prova contra Dilma foi forjada.

Além do depoimento de Lula à Lava Jato, outro acontecimento político que tem chamado atenção nos últimos dias: é a liberação da delação premiada de João Santana e Mônica Moura. Entre as denúncias citadas pelo casal ao STF, uma chamou atenção: Dilma teria criado um e-mail para se comunicar diretamente com Moura.

Quer se livrar de boatos? Clique para curtir o Boatos.org
Siga o Boatos.org no Twitter:
Envie uma mensagem com a palavra #boato para (61) 99432-5485 e agende este número no seu telefone para receber as nossas atualizações gratuitamente no WhatsApp

Um dia depois da liberação do conteúdo, uma controvérsia apareceu na internet. Textos publicados em blogs favoráveis a Dilma teriam apontado que Mônica Moura teria forjado a prova contra a ex-presidente. Os textos apontavam que a data que constava em um print do e-mail seria de 22 de fevereiro de 2017. Ou seja, o Google teria desmentido Mônica Moura. Leia uma das versões do texto:

Google desmente Mônica Moura, e-mail foi criado em 22 de fevereiro deste ano; prova é forjada. A prisão de Mônica Moura ocorreu no dia 23 de fevereiro de 2016. Porém a imagem mostra que o rascunho foi elaborado no dia 22 de fevereiro desse ano. O Gmail mostra isso no rascunho. Esse serviço de e-mail não indica o ano quando se trata de mensagens e rascunhos recentes.

A imagem poderia, sim, ter sido colhida no ano passado, mas a foto de Mônica foi recortada para esconder a data do computador onde a imagem foi criada: a barra de tarefas do sistema operacional, que é, sem dúvidas, o Windows – devido ao navegador utilizado, Internet Explorer.

Portanto é evidente que Mônica Moura forjou essa prova no intuito de ser beneficiada pelo acordo de delação, pois basta citar de alguma forma o nome de Dilma Rousseff. Claro que basta, também, citar o nome de Lula, mas quem se encarregou disso foi o marido da empresária, João Santana. No mais, aqui vai um exemplo de um rascunho antigo num e-mail do gmail

Mônica Moura criou e-mail do Google “Iolanda” em 2017?

Não precisa nem dizer que a história se espalhou nas redes sociais. Mas será mesmo que a tese que Mônica Moura criou o e-mail para forjar uma prova contra Dilma é verdadeira? A resposta é não. Vamos aos fatos.

Toda a teoria faria todo sentido se não fosse um detalhe: Mônica Moura tomou “o cuidado” de pedir que o e-mail fosse registra em cartório no dia 13 de julho de 2016. Veja só o que diz o documento (que pode ser acessado por completo aqui):

Ata Notaria lavrada por solicitação de Felipe Pedrotti Cadori, na forma abaixo: Ata Notaria lavrada aos treze dias do mês de julho do ano de dois mil e dezesseis (13/07/2016), nesta cidade de Curitiba/PR, em Cartório, por mim, Escrevente Autorizado do Tabelião, por solicitação de Felipe Pedrotti Cadori…

Item I – Da Constatação e Registro: Aos 13/07/2016, as 15 horas e 14 minutos, acessei o sítio http://gmail.com, e, após o solicitante efetuar login com usuário e senha, acessei o referido e-mail, registrando a rotina sugerida na forma a seguir, do que dou fé. Em seguida, a pedido da solicitante, na tela acima, cliquei sobre o botão/link “Rascunhos (1)”, e fiz o registro da rotina nas imagens nºs 02/03 e 03/03, que dou fé.

Ou seja, toda a teoria que o e-mail teria sido criado em 2017 cai por terra com um documento que aponta que ele foi acessado em 2016. O documento também “resolve” o mistério que aponta o a data do rascunho no ano do print com uma resposta simples: o print era de 2016 e a mensagem de 2016 também.

No meio de tudo isso, temos uma ressalva para fazer. Ainda será preciso analisar todas as provas apresentadas por Moura a respeito do e-mail e Dilma para que se chegue a uma conclusão sobre se a comunicação entre as duas ocorreu de fato. E isso é papel da Justiça julgar e não nosso. Porém, é fato que a tese que aponta que o e-mail foi criado após a prisão não se sustenta. Desmentir boatos como esse é, sim, nosso papel.

Mais do que isso: se os sites que criaram o factoide (que, por sinal, são velhos conhecidos nossos) acham que estão ajudando Dilma e o PT, eles estão enganados: boatos tão frágeis a respeito do assunto só ajudam a fortalecer a tese que a delatora tem razão.

Resumindo, só para ficar bem claro: a história que fala que Mônica Moura criou o e-mail que seria usado contra Dilma só em 2017 é falsa. A tese é derrubada pelo documento lavrado em 2016.

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de diversos leitores por WhatsApp. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo siteFacebook e WhatsApp no número (61) 99331-6821.

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet

44 comentários em “Mônica Moura forjou prova contra Dilma ao criar e-mail em 2017 #boato

  • 16/05/2017 em 08:17
    Permalink

    Quem é esse estagiário?
    Vejam em “Desvendando o mistério…”

    Resposta
  • 16/05/2017 em 02:09
    Permalink

    Gostaria que vocês verificassem as informações de que o rapaz que registrou no Cartório, Felipe Pedrotti Cadori é estagiário do escritório de advocacia Delivar de Matos e Castor, que pertence ao pai de um procurador da Lava-jato, Diogo Castor de Mattos e que esse escritório, à época do registro não seria ainda contratado pela Mônica Moura e o João Santana. Muito suspeito isso… Verifiquem…
    http://www.revistaforum.com.br/2017/05/15/delacao-de-marqueteiros-coloca-em-suspeicao-operacao-lava-jato/

    Resposta
  • 15/05/2017 em 21:59
    Permalink

    Quem fez o registro foi um estudante de direito (Felipe Pedrotti Cadoro) estagiário do escritório de advocacia DELIVER DE MATTOS & CASTOR (Curitiba/PR) cujos sócios nada têm a ver com o processo de delação do casal João Santana e Mônica Moura.

    Na data do registro no cartório, Mônica Moura estava presa na carceragem da PF em Curitiba. O cartório fica a 10 minutos da 13ª Vara da Justiça Federal e 12 minutos do MPF do Paraná.

    O advogado do casal é Juliano Campelo. Vai acabar sobrando para o pobre do estagiário que mora em um bairro pobre da grande Curitiba.

    Resposta
  • 15/05/2017 em 21:50
    Permalink

    Creio que a Boatos.org está começando a perder credibilidade. A rapidez em definir o que é boato ou não está levando o site a cometer erros graves. Em primeiro lugar a questão não está nada clara para se definir taxativamente que se trata de um boato. O caso está tendo desdobramentos que não podem ser tratados levianamente pelo boatos.org. Quem regisyrou foi um estagiario de um escritorio que nem era advogados de Monica na epoca. Além disso registros em cartório são provas precárias, é só recordar o caso do baiano que acusou o Skank de plagio

    Resposta
  • 15/05/2017 em 19:00
    Permalink

    Se duas pessoas criam um e-mail, tem login e senha, para que vão escrever em código? Para que vão usar terceiros para avisar de e-mail se poderiam escrever essa e outras informações lá?

    Resposta
    • 17/05/2017 em 03:54
      Permalink

      Herança do tempo de clandestinidade? Justificado desta vez, já que a mensagem acabou realmente sendo descoberta pelos investigadores. A mensagem de aviso sobre o email não era considerada segura pelas partes. Portanto não poderia transmitir este conteúdo suspeito. Note-se que só teria permanecido esta última mensagem que deveria te sido apagada por Mônica Moura. Como a estas alturas a casa tinha caído, ela pode ter mantido como apólice de seguro.

      Resposta
  • 15/05/2017 em 18:29
    Permalink

    Minha mensagem aparentemente foi apagada. Registro de novo minha inconformidade em taxar o e-mail como boato e não mostrar a cópia do documento do cartório, nem verificar sua veracidad. Pior ainda é que isso poderia ser simplesmente checado com o Google. Não é saudável para um site que “caça” boatos chegar a conclusões precipitadas e sem uma investigação profunda.

    Resposta
    • 15/05/2017 em 18:32
      Permalink

      Não foi apagada, não, perdão falha minha. De qualquer forma ficam os questionamentos. Abs.

      Resposta
    • 16/05/2017 em 19:24
      Permalink

      Você não sabe ler, a copai do documento do cartorio foi colocado e tudo explicado em relação as datas, vai morar no acampamento do Steli, seu burro…………..

      Resposta
  • 15/05/2017 em 16:50
    Permalink

    Para se registrar a copia de um email nao é necessario a pessoa em questão. Porque ela tem advogados e procuradores?
    Quanto a data, guarda emails em rascunho e NÃO APARECE ANO(muitos que procuro tenho que retroceder pois conversar por rascunho não é a mesma coisa que enviar um email)…talvez seja algo da configuração escolhida.

    Vamos aguardar o rastreamento do servidor…

    Resposta
  • 15/05/2017 em 14:33
    Permalink

    Muitas perguntas sem resposta ainda para o site taxar a história como boato. A pseudo análise foi baseada em um documento não apresentado e que ainda por cima nada impede de ser falsificado. Melhor seria se tivesse entrado em contato com o próprio Google para tirar a dúvida e não dar como certa a fraude. Abs.

    Resposta
  • 15/05/2017 em 12:38
    Permalink

    Todo dia a gente sabe pelos noticiários casos de carros emplacados com anuência de cartórios ou “fraude” em que nem o cartório tinha conhecimento.

    Porque não foi feito o “print-screen” de TODA a tela? A decisão foi do cartório?

    Esse cartório (Giovannetti) fica em Curitiba, a 10 minutos de taxi da Justiça Federal.

    Quem escoltou Mônica até o cartório já que ela estava presa na carceragem da PF em Curitiba?

    Respostas?

    Resposta
    • 16/05/2017 em 19:26
      Permalink

      mais um que não sabe ler, o registro em cartorio foi em 2016, nesta epoca a Monica Chiclete não estava presa, mais um burro …………….

      Resposta
  • 15/05/2017 em 10:57
    Permalink

    Quando se trata desses canalhas do pt, mesmo se colocar a conta deles recheadas de depósitos de proprina, esses jumentos seguidores vão disconfiar, falar que é doação,

    Resposta
    • 15/05/2017 em 19:52
      Permalink

      Responde as questões no lugar de ofender os outros, ou seria esse teu único argumento…

      Resposta
    • 16/05/2017 em 08:20
      Permalink

      A justiça tem que ser imparcial, não pode ter preferência, ideologia. Se os simpatizantes do PT são canalhas, pense no que os que não compactuam com o PT e nem com seus oponentes pensam desses.

      Resposta
  • 15/05/2017 em 10:26
    Permalink

    Pelo visto o BOATOS.ORG não saberá responder às excelentes observações que li, e que me deixam com mais certeza de que tudo não passa de um complô. u

    Resposta
  • 15/05/2017 em 10:09
    Permalink

    Continua sendo uma cascata, esse e-mail, senão vejamos em FEVEREIRO/2016 casal preso, em 1º de AGOSTO/2016 casal solto, mesmo mês segundo boatos Moniquinha registrou o e-mail fantasia, coincidência essa soltura né, memo?

    Resposta
  • 15/05/2017 em 07:21
    Permalink

    Olá, se possível, esclareçam algumas dúvidas.
    O documento foi registrado em 2016, segundo explicação desse site, certo?
    Qual a cidade que o documento foi registrado?
    O solicitante Felipe Pedrotti Cadori foi a pessoa que solicitou para o escrivão acessar o email e dar fé?
    O solicitante é membro do MP?
    Ué, acho que tem algo errado, mas poderiam reponder qual a cidade que o documento foi registrado e p q o Felipe Pedrotti Cadori está nessa história?
    Obviamenete que sabemos que somente as investigações demonstrarão a verdade, aqui somente tiramos dúvidas sobre os boatos que envolvem o assunto, mesmo assim , gostaria de informação sobre minha dúvida.
    Abracos

    Resposta
  • 15/05/2017 em 06:07
    Permalink

    Em síntese, a “ressalva” que o autor do artigo acima faz é a seguinte: o e-mail não prova que houve comunicação com Dilma Rousseff. O artigo mostra que o e-mail foi registrado em cartório em 2016, e que a mensagem também é de 2016, mas não consegue mostrar que a mensagem é de Dilma, por isso fez a “ressalva”, pois é evidente que o e-mail não prova que a mensagem é de Dilma Rousseff. Não prova nada, portanto.

    Resposta
  • 15/05/2017 em 02:57
    Permalink

    Vocês estão se precipitando. A imprensa silenciou sobre o caso. Não se toca mais no assunto desde ontem pelo motivo óbvio. Há sim algo muito estranho. Entre na sua conta do Google e verá que todos os e-mails de anos anteriores mostram o ano em que foram redigidos do lado direito da tela. O selo e a assinatura do cartório podem ser falsos. Pode não ter havido registro algum em cartório. Aguardem o posicionamento do Ministério Público.

    Resposta
  • 14/05/2017 em 21:07
    Permalink

    Se este e-mai foi criado para ser só RASCUNHO.

    Porque não consta na caixa de entrada e-mail de boas vindas do Google?

    Porque ela deletou?

    Segunda ela própria foi criado pessoalmente com a Dilma. E segundo as minhas pesquisas foi em 2014 .

    Então por CONVICÇÃO foi criado em 2017.

    E durante a prisão dela.

    Para tirar todas as duvidas ela tem que provar que este e-mail foi criando no dia em que ela estava com a DILMA

    Resposta
    • 15/05/2017 em 12:48
      Permalink

      Se o email foi registrado em cartório em 2016, então o email foi criado, no mínimo em 2016, e não em 2017.

      A não ser que o cartório esteja mentindo.

      Resposta
  • 14/05/2017 em 20:50
    Permalink

    Vamos lá, o registro é verdadeiro, mas é cópia de um episódio da série CSI Cyber, o episódio Flash Squad, onde tal técnica de comunicação de grupo criminoso por rascunhos de mensagem de e-mail é utilizada, e o episódio, pode ser conferido, foi lançado muito antes do registro feito por Mônica Moura.

    Questões não respondidas. Têm o número MAC dos computadores que acessaram a conta?
    Tem algum endereço de IP dos que acessaram a conta?

    Afirmar que pode ter sido usada máscara de MAC e VPN, ou programas LINUX amnésicos como o TAILS só faz mais reforçar a imprestabilidade da prova como prova penal, pois em qualquer país civilizado inexiste a responsabilidade penal objetiva, que seria o réu ter de provar que não é culpado, a prova penal é subjetiva, cabe ao acusador provar de forma inequívoca que o acusado é responsável pelo fato.

    Temos um elemento que precisa ser investigado e divulgado, para evitar que fraudes contaminem nosso processo penal.

    Resposta
    • 16/05/2017 em 01:15
      Permalink

      Esse www,Boatos é um golpista!!! Então quer dizer que o documento foi registrado em Curitiba ano passado e o funcionário que registrou foi admitido esse ano? Esse povo de Curitiba est fazendo tudo errado na ânsia de tentar enganar o povo!

      Resposta
  • 14/05/2017 em 17:28
    Permalink

    Mônica Moura não foi presa em 2017, mas sim em 2016. Portanto, a hipótese de ela ter criado o endereço de email após ter sido presa continua.

    Resposta
    • 15/05/2017 em 10:05
      Permalink

      Boatos, esse e-mail continua sendo estória da carochinha, o casal Santana foi preso em FEVEREIRO de 2016, e solto,vejam q coincidência, soltos em 1º de AGOSTO de 2016, mês de registro do e-mail fantasia em cartório, segundo o Boatos, ou seja: Não vale absolutamente nada.

      Resposta
  • 14/05/2017 em 16:48
    Permalink

    Só não entendi como Mônica registrou a operação junto com o tabelião se estava presa.

    Resposta
  • 14/05/2017 em 16:48
    Permalink

    Só não entendi como Mônica registrou a operação junto com o tabelião se estava presa.

    Resposta
    • 15/05/2017 em 17:55
      Permalink

      Leia o documento. Não foi ela que registrou no cartório. Deve ter pedido para alguém fazer isso, dando a senha do e-mail.

      Resposta
  • 14/05/2017 em 15:27
    Permalink

    Mas como vocês explicam que esse e-mail apareça com a configuração que o Google só tem hoje, se ele foi colhido em Julho do ano passado? O computador do cartório era vidente?

    Resposta
  • 14/05/2017 em 14:29
    Permalink

    só o google pode dizer isso… esse site não postou nenhuma declaração do google.

    Resposta
  • 14/05/2017 em 13:54
    Permalink

    Conheço cartórios que lavram qualquer tipo de escritura pela quantidade certa de $$$. Usar esse tipo de informação pra determinar se a notícia é boato ou não me parece tendencioso.

    Resposta
  • 14/05/2017 em 13:50
    Permalink

    Presa em 23 de fevereiro e solta em 1º de agosto, como esteve no cartório em julho?

    Resposta
    • 15/05/2017 em 02:50
      Permalink

      Pelo que diz ali, a ata foi feita por solicitação de Felipe Pedrotti Cadori – Mônica não precisa ter comparecido ao cartório.

      Resposta
  • 14/05/2017 em 13:41
    Permalink

    Eu gostaria de ver a cópia do documento do cartório também. Sem ela, tanto uma noticia como a outra continuarão sendo boatos para mim. Sem contar a possibilidade de manipulação de imagens, mas ao menos seria uma informação a mais. É muito simples apontar fatos sem mostras evidências. Por isso nem dou crédito à maioria das “bombas” que são divulgadas, independente de que lado estejam.

    Resposta
  • 14/05/2017 em 11:03
    Permalink

    A menos que o registro em cartório tenha sido feito com data retroativa, a pedido da República de Curitiba, o que não é impossível. Para isso, sugiro ao Site, o qual consinto sempre, que análise os livros do cartório na data indicada. Só houve autenticação em 2016, deve constar nos livros. Então a questão estaria resolvida. Antes disso ainda há suspeição.

    Resposta
  • 14/05/2017 em 11:01
    Permalink

    Então quero que o Boatos explique a seguinte situação:
    Entre em um e-mail do gmail e veja que quando uma mensagem é referente a anos anteriores não só aparece o dia e o mês, mas o ano também!
    O e-mail pode até ter sido registrado em 2016.
    Mas a mensagem acima pelo print é de dd de fevereiro de 2017. Se fosse de 2016 apareceria também o ano de 2016. Isto é um fato! Comprovem entrando em um e-mail gmail que se tenha a alguns anos e verá!

    Resposta
    • 15/05/2017 em 13:47
      Permalink

      Você confundiu as coisas. O e-mail é de 2016 a esse registro em cartório também foi feito em 2016. Então não há porque aparecer o ano. Mas a sua teoria teria razão, se o registro no cartório fosse feito em 2017.

      Resposta
    • 15/05/2017 em 17:48
      Permalink

      O documento é de 07/2016, com a data no rascunho de 22 de fevereiro, que só pode ser do mesmo ano, logo não aparecerá o ano no Gmail.

      Resposta
    • 15/05/2017 em 18:04
      Permalink

      Teu próprio comentário já é a tua resposta. A data do registro do cartório é do ano de 2016. No ano corrente aparece justamente as mensagens sem o ano. Se tivesse sido acessado em 2017, a data apareceria com o ano.

      Resposta
    • 15/05/2017 em 18:09
      Permalink

      A data do rascunho é de 22 de fevereiro de 2016. O ultimo rascunho salvo, já que ela foi presa no outro dia.

      Resposta
  • 14/05/2017 em 05:25
    Permalink

    Há que se considerar a possibilidade de fraude no documento do cartório.

    Hoje em dia, nem mesmo uma xerox autenticada tem o mesmo valor de um documento original devido às fraudes criadas em cartório.

    Não estou dizendo que é o caso, pois não tenho provas a favor nem contra; mas que deve ser uma possibilidade a ser considerada.

    Além disso, a própria Google pode ser contactada para dar uma resposta oficial deles a respeito do assunto.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Em vez de copiar o nosso conteúdo, compartilhe no Facebook :)