Emílio Odebrecht diz que não ganhou um centavo na época da Ditadura #boato

Boato – Em delação no dia 13 de abril, Emílio Odebrecht conta que nunca ganhou um centavo durante o governo dos militares.

Cinquenta anos depois, o discurso pelo retorno dos militares ao poder se espalha pelas redes sociais. Não são poucas as páginas e sites que defendem uma intervenção militar. Desde os protestos contra o governo Dilma, textos sobre a ditadura militar se espalharam feito pólvora na internet.

Quer se livrar de boatos? Clique para curtir o Boatos.org
Siga o Boatos.org no Twitter:

Envie uma mensagem com a palavra #boato para (61) 99432-5485 e agende este número no seu telefone para receber as nossas atualizações gratuitamente no WhatsApp

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Aqui no Boatos.org já desmentimos histórias sobre intervenção militar, presidentes militares, comunicados do Exército para a nação e outros. Nos últimos dias, algumas dessas páginas simpáticas ao regime militar têm publicado a informação de que Emílio Odebrecht disse que não ganhou um centavo durante o governo dos militares. Leia o que diz a publicação:

ESPERAMOS 32 ANOS PARA FINALMENTE ESCUTAR E VER A VERDADE AFLORAR; DEDICO ESTE POSTE AOS HEROICOS MILITARES DE 1964. Nunca ganhei um centavo durante o governo dos militares, não havia como ganhar! Não havia brechas para propinas Dr… Certa vez foi propor a um major da cobal uma vantagem ele colocou um 38 em cima da mesa (risos).. Eu achei que iria morrer.. Eles eram assim Dr…. (risos) Emilio Odebrecht Delação 13/04

Emílio Odebrecht diz que não ganhou um centavo na época da Ditadura?

É claro que a informação serviu para muitos desavisados “admirarem” a conduta dos militares. Peraí, peraí. Vamos com calma, porque a história não é bem assim. Veja o que encontramos.

O primeiro ponto e mais importante é que não existe nenhuma referência sobre esse trecho em nenhuma delação do Emílio Odebrecht. Na delação, Emílio Odebrecht conta como iniciou sua relação com Lula.

Durante o depoimento, a única menção ao regime militar acorre quando Odebrecht relata que acionou Golbery de Couto e Silva, idealizador do Serviço Nacional de Informações (SNI) durante a ditadura militar, para “ajudar nas questões em que era apertado para poder fechar um contrato em conjunto com os soviéticos em Angola”. Até aí, nada de centavos, certo?

Como já mencionamos, a página que compartilhou o boato pertence a um defensor da volta dos militares, o que é no mínimo suspeito. Mas não é só isso. O perfil já é famoso pelas páginas do Boatos.org, como na história da pensão da Marisa Letícia.

Para sacramentar: a história é tão falsa que a delação no dia 13/04, como informa a mensagem, nunca existiu. No vídeo, que você pode conferir aqui, é possível identificar a data da delação, que ocorreu no dia 13 de dezembro de 2016. Além disso, pela trajetória da Odebrecht, podemos concluir que eles ganharam muitos centavos na época da ditadura. Ok, não como nos últimos anos, mas ganharam.

Portanto, podemos afirmar que a história de que Emílio Odebrecht diz que não ganhou um centavo na época da Ditadura é falsa. Ou seja, tudo não passa de mais um boato inspirado em algo que existiu.

Ps.: Esse artigo é uma sugestão do leitor Otto Neto e diversos leitores via WhatsApp. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61) 99331-6821.

10 comentários em “Emílio Odebrecht diz que não ganhou um centavo na época da Ditadura #boato

  • 23/04/2017 em 20:05
    Permalink

    Emílio Odebrecht afirmou em sua delação que “nunca ganhou um centavo na época do regime militar…” em relação a PROPINA. Claro que a empreiteira deve ter ganho alguma concorrência e, consequentemente, foi remunerada. Mas, reafirmando, não com PROPINA”.

    Resposta
  • 22/04/2017 em 00:28
    Permalink

    O que ele falou dá no mesmo.
    2017 – 30 = 1987.
    O regime militar foi de 1964 a 1985.
    Emílio Odebrecht falou que a corrupção começou há 30 anos.
    Precisa dizer mais?
    https://youtu.be/TeokzHuatA4

    Resposta
    • 23/04/2017 em 14:55
      Permalink

      Começou a 30 anos atrás, com ele, porque corrupção nessas plagas vem desde o seu descobrimento, ô desinformado, vá estudar história. Só porque uma coisa fica oculta, não quer dizer que não existe, tal como o teu cu… Espera ai,você não sai mostrando o teu cu por ai? Ou sai?????

      Resposta
  • 21/04/2017 em 19:01
    Permalink

    Ótimo desmentidor de boatos mas péssimo em aritmética!
    2017 – 30 = 1987.
    Procure aí no Google: “fim do regime militar”

    Resposta
  • 21/04/2017 em 13:22
    Permalink

    O modelo militar não é um exemplo de idoneidade nem dentro dos próprios quartéis, onde abundam os casos de corrupção, abuso de poder hierárquico, violação dos direitos humanos (entre eles mesmos), uso de patente para obter vantagens. Enfim, é um claro caso de falso moralismo, em um ambiente totalmente machista e autoritário.

    Resposta
    • 24/04/2017 em 01:44
      Permalink

      Julio, não querendo aumentar a polemica… Mas, se vc ler a matéria, logo verá que o titulo da mesma esta errado! Nas declarações dele, não esta “há mais de 30 anos”. Ele estabelece 30 anos! Mas independentemente o autor da desmistificação do boatoerrou ao ultrapassar os limites.

      Resposta
  • 20/04/2017 em 20:58
    Permalink

    Emílio Odebrecht disse em sua relação que esse esquema de corrupção acontece a 30 anos… Então faça as contas, abraço

    Resposta
  • 20/04/2017 em 20:36
    Permalink

    Cara, descaracterizar um boato propagando outro? O Emilio Odebrecht deixou claro quando tudo começou. Há 30 anos, ou seja, não, não podemos concluir pela história da Odebrecht que os milatares podem ter dados alguns centavos a eles. Mas apesar desse comentário infeliz que vc fez, parabéns pela iniciativa de acabar com boatos.

    Resposta
  • 20/04/2017 em 18:05
    Permalink

    Oi, só para complementar, é bem provável que quem negociasse, pelo tempo, com o s militares fosse o Norberto Odebrecht e não o Emílio, o que corroboraria ainda mais a tese do boato.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Em vez de copiar o nosso conteúdo, compartilhe no Facebook :)