Alexandre Garcia conta o que foi 31 de março de 1964 em texto sobre a ditadura #boato

Boato – Alexandre Garcia escreveu texto sobre ditadura militar e diz que há algo muito errado na forma como a história é contada. Ele explicou o que foi 31 de março de 1964. 

Com a crise política (e dos políticos), o discurso pelo retorno da ditadura militar ainda tem força na internet. Não é à toa que, volta e meia, aparecem textos na internet defendendo a volta dos militares ao poder, e esse é o caso de hoje.

No sábado, 31 de março de 2018, completaram-se 54 anos do golpe militar que deu início ao regime de ditadura no país. Não por acaso, um texto sobre a data, atribuído a Alexandre Garcia, começou a circular na internet.

O texto, intitulado “o que foi 31 de março de 1964”, diz que “há algo muito errado na forma como a história é contada”. A mensagem aponta ainda que “o que se faz com relação aos Governos Militares do Brasil é justamente ignorar o contexto histórico e analisar seus atos conforme o contexto que melhor serve ao propósito de denegri-los”. Leia trechos do texto a seguir:

O QUE FOI 31 DE MARÇO DE 1964. Por Alexandre Garcia: Gostaria de dizer algumas coisas sobre o que aconteceu no dia 31/03/1964 e nos anos que se seguiram. Porque concluo, diante do que ouço de pessoas em quem confio intelectualmente, que há algo muito errado na forma como a história é contada. Nada tão absurdo, considerando as balelas que ouvimos… sobre o “descobrimento” do Brasil ou a forma como as pessoas fazem vistas grossas para as mortes e as torturas perpetradas pela Igreja Católica durante séculos.

Mas, ainda assim, simplesmente não entendo como é possível que esse assunto seja tão parcial e levianamente abordado pelos que viveram aqueles tempos e, o que é pior, pelos que não viveram. Nenhuma pessoa dotada de mediano senso crítico vai negar que houve excessos por parte do Governo Militar. Nesta seara, os fatos falam por si e por mais que se tente vislumbrar certos aspectos sob um prisma eufemístico, tortura e morte são realidades que emergem de maneira inegável […]

Alexandre Garcia escreveu texto sobre 31 de março e ditadura militar?

Não colocamos o texto inteiro por dois motivos: o primeiro, e mais óbvio, ele é gigantesco. O segundo motivo é que o conteúdo não faz diferença, já que o foco é a autoria do texto. Por falar nisso, o texto não pertence a Alexandre Garcia. Sem mais delongas, vamos aos fatos.

Parece brincadeira, mas todos os anos esse texto insiste em circular na internet. Inclusive, ao procurarmos pela origem do texto, encontramos registros desde 2013, alguns são de autoria desconhecida e outros foram atribuídos a Alexandre Garcia.

Por sinal, tentamos entrar em contato com o jornalista, por meio de sua conta no Facebook, mas não tivemos sucesso. Porém, para a nossa alegria, Alexandre Garcia se pronunciou sobre o assunto em sua rede social. No Facebook e no Twitter, o jornalista informou que não é autor do artigo e que, na verdade, pertence a alguém chamado Alexandre Paz Garcia. Leia o que diz a publicação:

Pelo enésimo ano aparece um artigo sobre o 31 de Março de 1964, que não é meu. Descobri que é de Alexandre Paz Garcia. Alguém tirou o Paz e me tirou a paz.

Com isso, chegamos à conclusão que o texto “o que foi 31 de março de 1964” não pertence a Alexandre Garcia. Ou seja, tudo não passa da velha história do aumenta e inventa da internet.

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61)99177-9164.

2 comentários em “Alexandre Garcia conta o que foi 31 de março de 1964 em texto sobre a ditadura #boato

  • 04/04/2018 em 12:02
    Permalink

    O texto pode não ser de Alexandre Garcia, mas é real porque “eu estava lá”! Não é boato a informação, o informante é que tem outro nome. VIDA LONGA AOS JUSTOS!!!

    Resposta
  • 03/04/2018 em 18:00
    Permalink

    De fato, o texto não é do Alexandre Garcia, porém, reconheço que é preciso fazer justiça com a própria história. Afinal, há mesmo uma distorção histórica monstruosa com relação à 1964. Caso possa acrescentar algo, em 31/03/2014, na comemoração dos 50 anos do contragolpe de 1964, o General Augusto Heleno proferiu uma excelente palestra centrada na realidade histórica do momento vivido em 1964.

    Aliás, mais que isso, ele traça todo o contexto histórico desde a revolução bolchevique de 1917. É preciso conhecer a história sob a luz do momento em que as coisas aconteceram e não sob a interpretação subjetiva construída com base na realidade atual. A reconstrução dos fatos que levaram àquele acontecimento é imperativa para que se faça justiça com a história real daquele período no Brasil.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Em vez de copiar o nosso conteúdo, compartilhe no Facebook :)