Site pró-terceirização da Fiesp usa fotos estrangeiras para ilustrar trabalhadores

By | 23/04/2015

Nenhuma das imagens do site criado pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo usa imagens de trabalhadores terceirizados brasileiros.

Um dos debates políticos que mais pegam fogo no ano de 2015 é o do projeto de lei que visa regulamentar as atividades de trabalho de terceirizados (pessoas que trabalham em uma empresa, mas prestam serviços para outra). O projeto, que foi aprovado no Congresso e vai para sanção presidencial, tem sido alvo de críticas (principalmente por abrir o leque para mais terceirizações) e de elogios (por criar regras para a atividade).

Quer se livrar de boatos? Clique para curtir o Boatos.org

Uma das entidades mais engajadas para que o projeto seja aprovado é a Fiesp. Tanto que, na semana em que a votação entra no Congresso, uma propaganda com “terceirizados felizes” tem circulado na TV e no rádio. A campanha faz a chamada para um site no endereço terceirizacaosim.com.br. Além de hospedar  o vídeo, a página apresenta motivos para o projeto da terceirização ser aprovado.

Nos motivos, há fotos de mais trabalhadores felizes. E aí é que a coisa começa a ficar estranha. Talvez um detalhe passe batido para a maioria dos internautas: se você for analisar as imagens, consegue notar que elas não parecem ser de trabalhadores terceirizados brasileiros. Aliás, não parecem ser sequer brasileiras.

É isso justamente o que acontece. Das 14 imagens da página do site, o Boatos.org resolveu analisar cinco. E nenhuma representa a realidade dos trabalhadores terceirizados brasileiros.

1 – Trabalhadores de indústria

Trabalhadores estrangeiros Fiesp

Trabalhadores estrangeiros Fiesp

Ao primeiro olhar a imagem que é acompanhada da mensagem que todos os terceirizados serão CLT pode ser de trabalhadores. Mas se você olhar com calma, consegue ler um K. Green no crachá do trabalhador. Buscando pelas imagens, encontramos em um site de segurança do trabalho e de uma empresa de energia. Os dois gringos.

2 – Empregada doméstica

Trabalhadores estrangeiros Fiesp

Trabalhadores estrangeiros Fiesp

A segunda imagem também causa um pouco de estranheza. Apenas em casas mais abastadas, os empregados domésticos têm que usar um daqueles uniformes. E, procurando a origem das imagens, achamos um banco de fotos e uma propaganda de uma empresa suíça de empregadas domésticas. Sim, são terceirizados. Mas da Suíça.

3 – Jardineira sorridente

Trabalhadores estrangeiro Fiesp

Trabalhadores estrangeiro Fiesp

A terceira imagem que vamos analisar é difícil até relacionar com terceirização. É de uma mulher sorrindo (e muito bonita) trabalhando com jardinagem. Ao procurar, encontramos a imagem justamente como “pretty nursery”. Claro que foi em um banco de imagens estrangeiro.

4 – Trabalhadores de fábrica

Trabalhadores estrangeiros Fiesp

Trabalhadores estrangeiros Fiesp

A quarta imagem não tem identificação de pessoas. Ao procurar, descobrimos que ela é uma empresa de produtos para empresas brasileira. Será a primeira foto tupiniquim da lista? Não, achamos também a imagem em um site de empresa estrangeira.

5 – Motorista de ônibus negro feliz

Trabalhadores estrangeiros Fiesp

Trabalhadores estrangeiros Fiesp

Para terminar, uma imagem de um motorista de ônibus negro e feliz. Assim como nas outras, estamos vendo mais um caso de foto estrangeira que foi tirada deste banco de dados. Até porque os motoristas de ônibus (que são todos terceirizados) não parecem tão felizes. É só conferir os casos no Distrito Federal e Espírito Santo.

Estes foram só cinco casos de fotos que estão em textos que falam de terceirização, Brasil melhor e outras coisas, mas ilustram uma realidade do exterior. Aliás, nem realidade já que todas as fotos foram de modelos e de agências de imagens.

Antes de acabar, um ressalva. Não é a primeira vez que imagens de estrangeiro são usadas com intuitos políticos. Na campanha eleitoral do ano passado, políticos de todos partidos abusaram de imagens de “eleitores” que nunca vão votar por aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *