Pegadinha: Governo proíbe Doze Anos de Escravidão em cidades com Mais Médicos

Notícia falsa diz que governo proibiu filme em cidades com Mais Médicos
Notícia falsa diz que governo proibiu filme em cidades com Mais Médicos

Boato – Governo lançou um decreto que proíbe exibição do filme Doze Anos de Escravidão, vencedor do Oscar deste ano, em cidade que conta com o programa Mais Médicos.

O polêmico programa “Mais Médicos” que visa melhorar o atendimento na área de saúde recebe críticas e elogios desde sua implementação. Até o momento, 7.400 médicos cubanos atendem e diversas regiões do Brasil, e durante o ano de 2014, 24 deles deixaram o projeto alguns alegaram ganharem muito pouco, não sendo suficiente para sobreviver no país.

Quer se livrar de boatos? Clique para curtir o Boatos.org
Siga o Boatos.org no Twitter:
Envie uma mensagem com a palavra #boato para (61) 99331-6821 e agende este número no seu telefone para receber as nossas atualizações gratuitamente no WhatsApp

Não demorou muito para que um boato surgisse envolvendo o assunto. A história fala que o premiado filme “Doze Anos de Escravidão”, teria sido proibido nas regiões onde os médicos trabalham, o fato seria para não incentivar os cubanos a deixarem o programa. Além disso, o texto também traz a informação de que o governo estaria implantando chips para o monitoramento dos profissionais. Leia:

O governo Dilma Rousseff baixou hoje, dia 17, decreto que proíbe a exibição do filme “Doze Anos de Escravidão” em todos os municípios incluídos no programa “Mais Médicos”. A medida, segundo Nota da secretaria de imprensa da Presidência da República, visa “impedir que os médicos cubanos que participam do programa se identifiquem com o personagem central do filme, e se sintam assim impelidos a abandonar seus postos e a pedir asilo político”.

O filme “Doze Anos de Escravidão”, que ganhou o Oscar de melhor filme 2014, conta a história real de um homem negro nos EUA do século XIX que, nascido livre, foi enganado e vendido como escravo para fazendas do Sul do país, antes da abolição da escravidão.

A nota do governo aproveita ainda para desmentir o boato que circulou recentemente, segundo o qual, diante dos vários casos de médicos importados de Cuba que desertaram, os cubanos integrados no programa seriam obrigados a usar tornezeleiras eletrônicas. Na verdade, explica a nota, “em vez de tornezeleiras, os médicos cubanos usarão chips de localização colocados debaixo da pele e monitorados por satélite. Assim não poderão escapar”, esclarece.

Para acabar com qualquer argumento, o site onde foi publicado o boato é de notícias fakes; Isso não é informado explicitamente, mas basta dar uma olhada nas outras publicações do blog e será fácil perceber que todas são sátiras. Por sinal, o Joselito Müller é presença constante na nossa página.

Todo o conteúdo do texto que fala sobre a proibição do filme é mentira! As falas de Fidel (que também estão no texto) também são invenções. O texto tenta de forma humorística passar a opinião do autor, e não tem interesse em fazer realmente sentido. Se você não acredita, dê uma olhada na lista de decretos do governo e veja que não há nada parecido com o que a notícia fala.

Ou seja, o filme não foi proibido, então tanto brasileiro quanto cubanos podem assistir. E também não existe nenhum programa de monitoramento por satélite, é tudo mentira! Os profissionais podem deixar o programa, mas não podem atuar como médicos sem revalidar o diploma no país.

André Lopes

Futuro jornalista que só acredita lendo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Em vez de copiar o nosso conteúdo, compartilhe no Facebook :)