Como se 1º de abril fosse todo dia

No Dia da Mentira, o que podemos refletir sobre os boatos na internet e a sociedade? Hellen Bizerra falou sobre o tema, confira:

A história por trás do 1º de Abril e o Dia da Mentira vem do século XVI, tem a ver com mudanças de calendário e piadas entre os franceses. Mais de 500 anos depois, a tradição ainda permanece e é celebrada em grande parte do mundo.

Quer se livrar de boatos? Clique para curtir o Boatos.org
Siga o Boatos.org no Twitter:

Envie uma mensagem com a palavra #boato para (61) 99432-5485 e agende este número no seu telefone para receber as nossas atualizações gratuitamente no WhatsApp

Se inscreva no nosso canal no Youtube

As brincadeiras infames inventadas em 1º de abril tem ar cômico. Nas redes sociais pessoas se casam, anunciam gravidez, prêmios da loteria e até mortes só para enganar seus conhecidos. O senso de humor é liberado nessa data, afinal, é só um dia do ano, que mal tem mentir?

Mau algum haveria mesmo se essas enganações ficassem restritas a uma única data. Afinal, o diferencial bacana das histórias falsas que todos nós inventamos em 1º de abril é que existe por trás do pano aquele acordo cordialmente seguido por todos: no fim só estamos mentindo para celebrar a data.

Essa realidade é completamente diferente do que enfrentamos todos os outros dias do ano com os boatos da internet, quando a mentira e a história falsa não são usadas para “brincar”, mas sim tem como razão central enganar pura e simplesmente.

Com o avanço tecnológico, as possibilidades do universo online e uma conta de rede social ao alcance de qualquer pessoa minimamente provida de recursos, o mundo parece ter se transformado em um eterno e descuidado 1º abril. Compartilhamos mentiras só que sem a parte da celebração e do acordo há pouco mencionado. Por trás destas está a pretensão de se passarem por verdadeiras para sempre e a intensão de desestabilizar, induzir e, infelizmente, de perpetuar desinformação.

Outra diferença primordial é que não somos os autores de todas as mentiras. E justamente por isso, por não termos conhecimento sobre a verdadeira intenção por trás da história é que nossa responsabilidade sobre aquele conteúdo aumenta. Um exemplo simples: compartilhar que eu tenho um affaire sendo que não tenho não é um problema, mas repassar que o vizinho tem sem saber se de fato tem mesmo, pode virar um problemão. Afinal, e se o vizinho é casado?

É nesse ponto que reside a questão da responsabilidade da qual grande parte das pessoas tem se esquivado no dia-a-dia. Principalmente por não se preocupar em diferenciar o que é piada e o que sério. E a proposta não é ser eternamente desconfiado, mas apenas manter o olhar atento do 1º de abril. Aquela perguntinha insistente “será que é verdade” é a pausa necessária antes de qualquer compartilhamento.

Até por que pessoas que se dedicam a inventar mentiras na internet não veem limite para aquilo que criam, e isso é um risco. Uma mentira no mundo real, sem tradição ou festejo envolvido, pode fazer o homem errado ser acusado de estupro, a mulher errada ser assassinada na rua, uma família ter a vida virada de ponta cabeça por causa de uma foto circulando o país.

No dia da mentira, onde inventar, criar e enganar é livre de julgamentos vale refletirmos sobre o poder de alcance de um boato. Durante um dia nós paramos para prestar atenção a isso e ficamos atentos às reações das pessoas sobre aquilo que dissemos ser verdadeiro.

Uma vez que temos sido descuidados ao ponto de continuar brincando de 1º de abril o ano todo, o mínimo que devemos fazer é continuar atentos.

Um comentário em “Como se 1º de abril fosse todo dia

  • 01/04/2017 em 21:42
    Permalink

    É lamentável que pessoas percam seu tempo.para espalhar notícias inventadas e que causam desconforto alheio. Acorda, gente! Quanto atraso!!!!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Em vez de copiar o nosso conteúdo, compartilhe no Facebook :)