Radiação da bomba atômica de Hiroshima deveria durar 1.000 anos #boato

Boato – Bomba atômica lançada em 1945 em Hiroshima e Nagasaki, no Japão, provocou radiação que deveria durar 1.000 anos.

Há 72 anos, uma bomba atômica lançada sobre a cidade de Hiroshima, no sul do Japão, tirou a vida de milhares de pessoas e transformou a cidade em cinzas. No dia 6 de agosto de 1945, o mundo assistiu o bombardeio às cidades de Hiroshima e Nagasaki liderado pelo governo dos Estados Unidos para pressionar o Japão a se render e, com isso, por fim à Segunda Guerra Mundial.

A explosão matou, de imediato, 80 mil pessoas. Até o final de 1945, o número de mortos chegou a 140 mil. Nos anos seguintes, muitos japoneses morreram vítimas da radiação. Mas, ao que tudo indica, os números não parariam por aí. Ao menos é o que indica uma publicação que circula pelo Facebook e WhatsApp.

A mensagem, que parece mais uma provocação sobre o que pode causar mais destruição (bomba atômica ou políticos brasileiros), indaga sobre a “radiação que devia durar 1.000 anos em Hiroshima”. Junto à mensagem, circula um arquivo em PDF (que já foi um PowerPoint compartilhado por e-mail) com imagens da explosão, da cidade atualmente, da pobreza no Brasil e de políticos brasileiros. Confira na mensagem:

O que aconteceu com a radiação que devia durar 1.000 anos em Hiroshima? HIROSHIMA: 65 anos depois. BRASIL: 65 anos depois da bomba de HIROSHIMA Será que no Brasil poderia haver menos roubo? Agora, me responda: A longo prazo, o que causa maior destruição? A BOMBA ATÔMICA ou os POLÍTICOS BRASILEIROS?

Radiação da bomba atômica de Hiroshima deveria durar 1.000 anos?

Como você pode perceber, a mensagem já circula há bastante tempo. Mas como assim a radiação da bomba atômica de Hiroshima deveria durar 1.000 anos? Se você também ficou em dúvida sobre a veracidade dessa informação, continua lendo.

Por aqui, o clima de incerteza no cenário político permanece, na verdade, a única certeza política para 2018 são as eleições. Apesar do cenário, a indagação sobre o que causa mais destruição é, no mínimo, bem infeliz (desculpe, minha opinião). Mas essa parte a gente pula e vamos direto para a informação sobre a radiação em Hiroshima e Nagasaki.

Sem dúvidas, o ataque deixou inúmeras feridas, além de centenas de milhares de mortos, causou danos psicológicos, destruição física e perdas irreparáveis. O impacto foi tanto que, após o ataque, o Japão passou a receber ajuda dos Estados Unidos para reconstruir o local (e, de certa forma, o país). Aliás, a filosofia de “reerguer” o país foram uns dos motivos para a “Hiroshima fénix” se tornar “Hiroshima moderna” (diferente do Brasil).

O impacto da tragédia faz, inclusive, muita gente acreditar que um ataque nuclear como esse é capaz de deixar uma área inabitável por causa dos efeitos da radiação (como, por exemplo, no caso da usina nuclear de Chernobyl em 1986, na Ucrânia). Na verdade, não é capaz. Isso acontece por três motivos: 1) quantidade de combustível nuclear; 2) diferenças na reação nuclear; 3) localização.

Pois bem, a bomba de Hiroshima possuía 63 kg de urânio enriquecido. Em Nagasaki continha cerca de 6,2 kg de plutônio. Já em Chernobyl continha 3,6 mil kg de urânio puro. Quando houve a explosão, foram liberadas setes toneladas de combustível nuclear. Ou seja, a explosão da usina emitiu 100 vezes mais radiação que as bombas.

Some isso ao fato de que no caso Chernobyl quando o combustível nuclear se fundiu, foram liberados isótopos radioativos como xenônio, iodo radioativo e césio. Além disso, as bombas lançadas em Hiroshima e Nagasaki explodiram no ar e, com isso, os depósitos radioativos se dispersaram. Já em Chernobyl, o reator se fundiu na superfície tornando a terra radioativa. Com isso, dá para entender porque Hiroshima e Nagasaki foram reconstruídas um ano depois das bombas.

Resumindo: não entraremos aqui no mérito do que causa maior destruição (apesar de termos um palpite), mas o fato é a radiação de Hiroshima não está durando e nem deveria durar 1.000 anos (apesar de ter causado danos irreparáveis pior do que qualquer radiação). A história é falsa e, ao invés de compartilhar boatos, vai lá e explica porque é #boato.

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de leitores do Boatos.org. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook e WhatsApp no telefone (61)99177-9164.

2 comentários em “Radiação da bomba atômica de Hiroshima deveria durar 1.000 anos #boato

  • 24/07/2018 em 00:09
    Permalink

    Acho que esse desmentido está mal explicado. O texto parece muito com os textos de boatos. Não apresenta fontes, não apresenta argumentos bem fundamentados, nem sequer toca em questões como meias vidas do uranio e do plutonio usado nas bombas.

    Resposta
  • 23/07/2018 em 22:44
    Permalink

    Não acredito em acaso. Para toda ação, há uma reação. A radiação em si pode não perdurar, mas a ação da explosão, com certeza, ainda gerará muita reação em locais e espíritos que nossa vã filosofia não consegue alcançar.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

error: Em vez de copiar o nosso conteúdo, compartilhe no Facebook :)