Mãe corta órgão genital de filho por causa de ideologia de gênero #boato

Boato – Na França, Monique Madeleine cortou o órgão genital de seu filho Marlon, de 2 anos, para protestar contra a ideologia de gênero.

Entre todos os tipos de crimes que são noticiados na mídia, um dos que mais revoltam as pessoas é o cometido contra crianças. Quando ele é realizado pelos próprios pais, a revolta aumenta. Não é à toa que uma história publicada em um blog tem chamado atenção na internet.

Quer se livrar de boatos? Clique para curtir o Boatos.org
Siga o Boatos.org no Twitter:

Envie uma mensagem com a palavra #boato para (61) 99432-5485 e agende este número no seu telefone para receber as nossas atualizações gratuitamente no WhatsApp

Se inscreva no nosso canal no Youtube

A tal história dá conta que uma mulher chamada Monique Madeleine cortou o órgão genital do próprio filho de 2 anos para “protestar” contra a ideologia de gênero. O caso teria acontecido na França. Leia o texto:

MULHER CORTA O ÓRGÃO GENITAL DE SEU FILHO DE 2 ANOS PARA PROTESTAR A FAVOR DA IDEOLOGIA DE GÊNERO. Uma notícia chorou o mundo nesses últimos dias. Na frança, uma mulher decepou o órgão genital de seu filho de 2 anos para protestar a favor da ideologia de gênero.

A mulher identificada como Monique Madeleine foi presa em flagrante após denúncias de seus vizinhos que ouviram o choro e os gritos de Marlon, seu filho de 2 anos que foi vítima de um ataque insano e inconsequente da própria mãe.

Segundos testemunhas, não é a primeira vez que Monique comete atrocidades contra seu filho, relatos afirmam que ela obrigava o seu filho a vestir roupas femininas e usar batom, com o intuito de “desconstruir conceitos”…

Infelizmente os médicos não conseguiram reimplantar o órgão, e a criança precisará de auxílio psiquiátrico no futuro. A acusada permanece presa e se condenada, pode pegar até 8 anos de prisão por lesão corporal grave.

Mulher cortou órgão genital de filho por causa de ideologia de gênero?

Como falamos antes, a história acabou sendo muito compartilhada na internet. Mas será mesmo que ela é real? A resposta é não. Três elementos nos ajudam a desvendar a farsa. Vamos aos fatos.

O primeiro deles está na falta de informações precisas sobre a história. Não temos a cidade onde o caso aconteceu, o dia que isso teria acontecido e nem uma declaração de alguma autoridade local. Informações vagas como essas são comuns em boatos.

O segundo ponto que “entrega a farsa” está relacionado à falta de mais notícias a respeito do assunto. Tentamos procurar se algum site “sério” de notícias havia publicado algo a respeito do assunto e não encontramos nada. Também não achamos nenhuma referência sobre a tal Monique Madeleine.

Só para “matar” a história, analisamos o site que criou o conteúdo e descobrimos que é um site que só publica notícias falsas e/ou sensacionalistas. Sim, um site para enganar pessoas e ganhar cliques. Uma das histórias publicadas lá era a que falava que a Islândia estava oferecendo dinheiro para as pessoas se casarem com islandesas.

Resumindo: já temos elementos suficientes para atestar que a história que aponta que uma mãe cortou o órgão genital do filho por causa de ideologia de gênero não só não faz sentido como também é falsa.

Ps.: Esse artigo é uma sugestão de Waldir Coletto e de diversos leitores via WhatsApp. Se você quiser sugerir um tema ao Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site, Facebook ou WhatsApp no telefone (61) 9 93316821.

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Em vez de copiar o nosso conteúdo, compartilhe no Facebook :)