Informação errada: tigre que atacou menino em zoológico será sacrificado

By | 03/08/2014
Boato na internet fala em sacrifício de tigre no Paraná

Boato na internet fala em sacrifício de tigre no Paraná

Boato – A administração do zoológico de Cascavel (PR) está pensando em sacrificar o tigre Hu, que atacou uma criança no dia 30 de julho de 2014.

Um dos assuntos mais polêmicos da última semana do mês de julho e início do mês de agosto de 2014 foi o caso de uma criança que teve o braço amputado após ter sido atacada por um tigre no Zoológico de Cascavel (PR). O caso gerou revolta por causa da imprudência do pai do menino, que incentivou que ele fosse a uma área proibida e chegasse perto do animal.

Quer se livrar de boatos? Clique para curtir o Boatos.org

Não bastasse a revolta mediante a atitude do pai, outra informação que circula na internet passou a causar indignação em muitas pessoas. Um texto que circula no Facebook dava conta que o zoológico estava pensando em sacrificar o tigre que atacou o menino em Cascavel. Leia:

Não mereço ser sacrificado nem confinado. Sou uma vítima da sociedade

O tigre do ZOO de Cascavel, que foi acusado injustamente de atacar uma criança, esta confinado e ainda existem rumores e pedidos de algumas pessoas para que ele seja sacrificado.

Todos sabemos que o tigre é vítima desta sociedade antropocentrista que insiste em tirar animais de seu habitat natural para o entretenimento da espécie humana.

Vamos enviar mensagens a prefeitura de Cascavel, através do link abaixo, pedindo que o tigre não seja prejudicado em sua rotina, que já é um cárcere!

Além da postagem no Facebook, também encontramos uma petição na Avaaz pedindo que o tigre não fosse sacrificado. Até o momento que esta matéria estava sendo produzida, 18 mil pessoas assinaram o documento. Leia:

Queremos que o tigre Hu seja removido para um santuário de tigres e sua vida seja poupada. O zoológico deveria ter feito uma barreira entre a jaula e as pessoas, um placa de vidro, ou mesmo uma tela de arame de aço com buracos bem pequenos, seriam muito mais eficientes. A sinalização do zoológico também é deficiente, analfabetos não conseguem ler as placas.

PELA VIDA, NÃO A MORTE

Antes de tudo, temos que dizer que respeitamos profundamente as organizações que lutam em defesa dos direitos dos animais. A mensagem no Facebook que mais circulou teve como origem uma pessoa que lida com a causa. A petição também surgiu de pessoas que se preocupam com o bem estar do tigre Hu. Porém, é nosso dever alertar que a informação é falsa.

Logo que a informação começou a se espalhar na internet, membros dos zoológicos foram procurados pela mídia para desmentir a história. A Veja apontou, nesta matéria, que o veterinário que cuida do animal não pensa em matá-lo. O mesmo homem reiterou, nesta matéria do Terra, que a hipótese de sacrifício é impensada. Ele, inclusive, falou que o tigre não teve culpa. Esta matéria da Gazeta do Povo aponta que o animal é dócil.

De acordo com nota oficial, a Prefeitura de Cascavel está analisando o caso e deve avaliar as condições de segurança do zoológico. Em momento algum, é citada a hipótese de sacrifício do animal. Já sabemos que o tigre não será punido.

Isso pode não acontecer com o pai do menino e com a administração do zoológico. De acordo com esta matéria, também da Gazeta do Povo, a Polícia Civil investiga o incidente. Caso alguém seja responsabilizado pelo incidente, deverá sofrer processo por lesão corporal.

Resumindo: o caso foi lamentável e o tigre Hu (que realmente está aprisionado) não teve culpa no incidente. E, pelo o que os fatos apontam, os responsáveis pelo zoológico acreditam nisso e não devem sacrificar o animal. Ou seja, tudo não passa de um boato. Com boas intenções, mas ainda um falso.

PS: esse artigo foi uma sugestão dos leitores Rubens Pinheiro e Osaneide Rosa. Se você quiser sugerir um tema para o Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site ou pelo Facebook.  

4 thoughts on “Informação errada: tigre que atacou menino em zoológico será sacrificado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *