Boato diz que Fazenda Angolana fornece beagles para Instituto Royal

By | 21/10/2013
Fazenda Angolana teria grande criação de beagles

Fazenda Angolana teria grande criação de beagles

Boato – A Fazenda Angolana, local de criação de animais em São Roque (São Paulo), seria a fornecedora dos cachorros da raça beagle que o Instituto Royal usa para testes.

Nas redes sociais, o assunto da semana é o resgate dos cachorros da raça beagle que eram utilizados em testes de cosméticos, medicamentos e alimentos no Instituto Royal (localizado na cidade de São Roque, em São Paulo). A repercussão do fato acabou gerando alguns boatos da internet como, por exemplo, de que o Instituto Royal pertencia à empresa Royal Canini.

Quer se livrar de boatos? Clique para curtir o Boatos.org

Este outro boato envolve uma denúncia de que os cães que estavam sendo utilizados como cobaias no Instituto Royal seriam advindos da Fazenda Angolana, local onde se cria e comercializa animais. De acordo com a denúncia, era do local que os cães eram enviados para o Instituto Royal. Leia o texto:

“SOBRE A MALDITA FAZENDA ANGOLANA:

Fazenda Angolana escondeu os dois caminhões de beagles que foram retirados do Instituto Royal onde serviram para testes cruéis, com medo que a Caravana que protestava contra o instituto roya,l pedindo pelo fim dos testes onde são torturados, invadisse, retirasse, e libertasse os animais , eles retiraram antes e os esconderam nesta fazenda Angolana , em São Roque , lá supostamente seria um passeio turístico , onde as pessoas podem comprar animais, Neste lugar são mantidos também alguns ANIMAIS que SERÃO USADOS EM LABORATÓRIO.

Isto não é perseguição , é realidade…”

Alguns fatores corroboram para que a Fazenda Angolana fosse acusada. O primeiro deles é a localização. A fazenda fica a alguns quilômetros do Instituto Royal e na mesma cidade. Além disso, a empresa se diz “especialista” na criação de cães da raça beagle. Por fim, o local se orgulha pela prática de criar e vender animais. O comércio é uma das práticas abominadas pelos grupos de defesa dos animais.

Apesar de todos os fatores citados acima e do relato (que se espalhou como pólvora em redes sociais), ainda não há provas de que a Fazenda Angolana fornece animais para testes. No site oficial do local, há uma declaração desmentindo o boato. Neste site de São Roque também há um comunicado:

“Nós da Fazenda Angolana não temos nenhum tipo de parceria ou qualquer vínculo com o instituto Royal. Criamos diversas espécies de animais há mais de 30 anos e só por estarmos na mesma cidade não é justo divulgarem uma coisa sem fundamento e pior, sem prova alguma. Os nossos clientes sabem do amor que temos por nossos cães, nossa Fazenda está aberta e sempre esteve para qualquer esclarecimento”.

A falta de provas (não há fotos, documentos etc) da atuação da Fazenda Angolana no fornecimento de beagles para o Instituto Royal e o pronunciamento do local negando o envolvimento fazem a denúncia ser, até o momento, apenas mais um boato.

Detalhe: mesmo que a Angolana fosse fornecedora de cães para testes, nada poderia ser feito até que se prove que o Instituto Royal realmente agia com maus-tratos contra animais. Isso é o que diz a lei. Claro que há um debate ético que vai muito além do que aponta a legislação sobre o assunto.

One thought on “Boato diz que Fazenda Angolana fornece beagles para Instituto Royal

  1. Solange

    Já se tem documentos que provam que a fazenda vendeu sim animais para o instituto.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *