Claudia Leitte ganhou R$ 356 mil para lançar livro #boato (agora é)

Entenda o que há de verdade e de boato no caso que envolve Ministério da Cultura, produtora Ciel e cantora Claudia Leitte.

Nós, aqui dos Boatos.org, não costumamos falar sobre informações que são verdadeiras. A gente corre atrás dos boatos. Se for mentira, desmente. Se for verdade, a gente “derruba” a pauta (não escreve). Mas e quando a história é uma meia-verdade, o que fazer? Desta vez, resolvemos escrever.

Cláudia Leitte vai ter livro patrocinado pelo Minc, diz boato
Cláudia Leitte vai ter livro patrocinado pelo Minc, diz boato

Quer se livrar de boatos? Clique para curtir o Boatos.org
Siga o Boatos.org no Twitter:
Envie uma mensagem com a palavra #boato para (61) 99331-6821 e agende este número no seu telefone para receber as nossas atualizações gratuitamente no WhatsApp

No dia 16 de fevereiro de 2016 saiu a informação de que a Produtora Ciel e Claudia Leitte poderiam captar R$ 356 mil para o lançamento de um livro de 2 mil exemplares sobre a cantora. É óbvio que a história pegou mal. E muita, muita gente começou a perguntar se era verdade ou era boato. Por isso, vamos explicar o que é verdade e boato na história.

1 – Claudia Leitte ganhou dinheiro do governo para lançar livro? Não.

Quando um projeto é aprovado na Lei Rouanet, ele recebe autorização para captar recursos para a obra. Captar recursos nada mais é do que bater na porta das empresas para “ganhar patrocínio”. Em troca, a empresa recebe abatimento do Imposto de Renda. Por isso, a produtora ainda teria que “correr atrás” para conseguir os recursos. Ou seja, o dinheiro ainda não foi dado.

2 – Dinheiro público seria usado na obra? Sim.

Claro que o governo iria perder em arrecadação de recursos (ou, no mínimo, outros produtores culturais perderiam) no momento em que Claudia Leitte conseguisse o dinheiro que seria abatido do Imposto de Renda para realizar a obra.

3 – O livro será lançado? Não.

Todos os trâmites foram feitos para que a Claudia Leitte tivesse o livro patrocinado. Porém, depois que a informação vazou (crédito para os jornalistas) a coisa pegou tão mal que todos desistiram.

O ministro da Cultura, Juca Ferreira, disse que o recurso será cancelado. Isso também atende uma ordem do TCU do início do ano que veta uso da Lei Rouanet para projetos com fundo comercial (ou lucrativo).

Além disso, a Produtora Ciel afirmou que desistiu da captação de recursos em 2015 e não sabe por que o projeto foi aprovado. De acordo com a empresa, “muita gente saiu da produtora” e o projeto era de pessoas que não trabalham mais no local.

4 – A Lei Rouanet tem problemas? Sim.

Se a produtora tivesse conseguido captar os R$ 356 mil e lançado o livro, tudo estaria dentro da Lei. Apesar de absurdo, seria legal. De acordo com o Ministério da Cultura, não há juízo de valor sobre a obra. Casos como esse, de diversos filmes nacionais que poderiam “se pagar” e de turnê de artistas que recebem dinheiro de empresas que acabam muito divulgadas e ainda não pagam impostos mostra que há algo estranho na lei.

Sendo assim, podemos afirmar que Claudia Leitte não terá mais biografia “patrocinada pelo governo”. Agora, a história já virou um boato. Mas é óbvio que em algum momento (seja no momento que saiu no Diário Oficial ou em 2014), alguém pensou ganhar R$ 356 mil por um livro com 2 mil exemplares e uma entrevista.

PS: Esse artigo foi uma sugestão dos leitores Heloísa Teixeira, Livia Oliveira, Queila Souza e Batista Barros. Se você quiser sugerir um tema para o Boatos.org, entre em contato com a gente pelo site ou pelo Facebook.

Edgard Matsuki

Jornalista e caçador de falcatruas na internet

5 comentários em “Claudia Leitte ganhou R$ 356 mil para lançar livro #boato (agora é)

  • 22/03/2016 em 16:01
    Permalink

    Sem contar que os R$ 356.000, divididos pelos 2.000 exemplares, significaria que cada exemplar teria um preço de custo de R$ 178 !!! Oi????????????

    Resposta
  • 20/02/2016 em 13:14
    Permalink

    Apenas uma informação que não está no texto e creio que deveria (também sou jornalista e acabei acompanhando a história). O livro seria distribuído gratuitamente em bibliotecas, para imprensa etc, portanto não “visa lucro”, que é o que o TCU vai vetar na lei que ainda não entrou em vigor. Claro que ela promoveria a carreira com isso, seria uma espécie de ” release” mais sofisticado e acabaria tendo um retorno com isso, mas pelo menos não teria lucro com a venda direta, que é o que o texto de voces da a entender.

    Resposta
  • 19/02/2016 em 12:25
    Permalink

    Muito bom o trabalho de vocês realmente. Vinha sentindo falta de uma fonte assim faz tempo! Parabéns!

    Resposta
  • 19/02/2016 em 00:52
    Permalink

    Parabens, cada vez mais sinto a importancia e o profissionalismo de voces !!!!

    Resposta

Deixe uma resposta

error: Em vez de copiar o nosso conteúdo, compartilhe no Facebook :)