Texto falso fala que senha invertida avisa polícia em assaltos

Informação de que senha invertida avisa polícia é falsa

Informação de que senha invertida avisa polícia é falsa

Boato – Uma juíza federal chamada Liliane P. Bastos teria afirmado que, em casos de sequestro-relâmpago, a vítima só precisaria digitar a senha invertida no caixa eletrônico do banco. A ação avisaria a polícia.

Esse tipo de hoax é um dos mais graves que circulam na internet. A mensagem, que pode ser lida aqui, circula na web desde 2009. Ela é assinada por uma suposta juíza federal chamada Liliane P. Bastos e dá uma dica “valiosa” para quem está sofrendo um assalto-relâmpago.

O texto diz que, para a vítima avisar a polícia de uma ocorrência como essa, só é preciso digitar a senha de sua conta de maneira inversa. De acordo com o texto, isso avisaria a polícia e acionaria um mecanismo de emergência.

O impacto da mensagem foi tanto que, sabendo dos riscos, diversas entidades lançaram nota explicando que o procedimento não funciona. Em 2009, a Federação Nacional dos Bancos (Febraban) publicou em seu site que digitar a senha e avisar a polícia é “tecnicamente improvável” e uma lenda urbana. A própria Polícia Federal também tem uma publicação que desmente a história.

A Anajus, que é citada no e-mail, também lançou uma nota esclarecendo que em momento algum publicou tal dica. Ao que parece, a juíza federal Liliane P. Bastos também não existe. Pesquisando na web, não se acha nada sobre ela.

Concluindo: a história de que digitar a senha invertida no caixa eletrônico avisa a polícia não passa de uma lenda. No caso de sofrer um sequestro-relâmpago, isso nunca deve ser feito. Não se sabe do que o assaltante pode ser capaz você colocar uma senha errada no caixa eletrônico.

 Leia na íntegra o texto que fala que senha invertida avisa a polícia

, , ,

Trackbacks/Pingbacks

  1. Leia na íntegra o texto que fala que senha invertida avisa a polícia - Boatos.org - 27 de setembro de 2013

    […] Atenção: esta informação é falsa. Para entender o caso, leia este texto. […]

Deixe uma resposta